This content is not available in your region

Eurodeputados questionam Juncker sobre evasão fiscal

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
Eurodeputados questionam Juncker sobre evasão fiscal

Jean-Claude Juncker foi dar explicações ao Parlamento Europeu, esta terça-feira, sobre elisão e evasão fiscal, sendo confrontado com o seu passado, enquanto governante do Luxemburgo, e com a atuação agora, enquanto presidente da Comissão Europeia.

No que toca ao passado, o eurodeputado Fabio di Masi salientou que “Juncker era o arquiteto e o padrinho desse cartel”.

“Um exemplo disso é que, depois de ele ter tomado posse, aumentaram imenso os acordo tributários no Luxemburgo, um dos aspetos mais escandalosos da fuga de informação conhecida por LuxLeaks. Juncker costumava gabar-se, durante as campanhas eleitorais, de que era a pessoa que atraía negócios para o país devido ao ambiente fiscal favorável”, referiu o socialista alemão.

Juncker tem, por isso, o dever de lutar mais contra o fenónemo, defende a eurodeputada socialista portuguesa Ana Gomes.

“Às vezes é preciso usar um caçador furtivo para perseguir os caçadores furtivos. Juncker tem, claramente, muitas pessoas na Comissão, tais como Pierre Moscovici, empenhadas neste trabalho. E tem o apoio deste Parlamento, ou melhor, a nossa exigência, para agir nesse sentido e confrontar os Estados-membros”, afirmou a eurodeputada.

O presidente do executivo europeu disse que nunca tomou decisões sobre acordos tributários especiais no seu tempo de governante e pede para ser julgado pelo trabalho que faz, agora, nessa matéria.

“Gostaria que a minha credibilidade não fosse medida pelo que eu ou outros líderes fizeram em nome do país ou do seu governo. Gostaria que a credibilidade desta Comissão Europeia fosse medida pelo que fazemos hoje. Saliento que nunca houve uma Comissão Europeia que apresentasse tantas iniciativas em matéria de luta contra a elisão e evasão fiscal como nós fizemos: 12, no total”.

A comissão de inquérito parlamentar analisa o escândalo dos Panama Papers, que revelou como muitos ricos e poderosos esconderam fortunas em offshores.