Hungria poderá ser sancionada por causa dos refugiados, avisa Juncker

Hungria poderá ser sancionada por causa dos refugiados, avisa Juncker
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Comissão Europeia poderá vir a sancionar a Hungria se o governo do país continuar a recusar aceitar a decisão judicial sobre acolhimento de refugiados, disse o presidente do executivo comunitário, quinta-feira, no programa da euronews "AskJuncker".

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia poderá vir a sancionar a Hungria se o governo do país continuar a recusar aceitar a decisão judicial sobre acolhimento de refugiados, disse o presidente do executivo comunitário, quinta-feira, no programa da euronews “AskJuncker”.

“Quando um juiz do Tribunal da União Europeia se pronuncia, os Estados-membros que perdem a causa devem implementar a decisão proferida pelo juiz. Se os Estados-membros não o fizerem, a Comissão Europeia pode abrir um procedimento por infração”, explicou.

Questionado por um dos jovens Youtubers sobre os ataques à minoria muçulmana rohingya, que estão a escandalizar a comunidade internacional, Jean-Claude Juncker disse que “o que se passa na Birmânia é uma catástrofe, é chocante, porque, uma vez mais, se tenta erradicar por inteiro uma etnia”.

Sobre os desafios do espaço de livre circulação Schengen ao nível do combate ao terrorismo, o presidente da Comissão Europeia considera que “o problema não é deter os terroristas na fronteira, embora seja importante”.

“O problema é que é preciso que os serviços secretos e a polícia possam trocar informações sobre o que se passa, para que cada território se possa preparar. No meu discurso, no Parlamento Europeu, propus a criação de uma agência de segurança europeia”, acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel

Prémio LUX do Público entregue ao filme "A sala dos professores"

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita onde estava Orbán