EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Glifosato é autorizado por mais cinco anos na União Europeia

Glifosato é autorizado por mais cinco anos na União Europeia
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Apesar do apoio de 18 países, os críticos manifestaram-se desapontados com a decisão.

PUBLICIDADE

A utilização do glifosato foi autorizada por mais cinco anos na União Europeia, anunciou a Comissão Europeia.

Os estados-membros votaram por maioria qualificada a proposta apresentada pelo executivo de Bruxelas. Dezoito países votaram a favor, 9 opuseram-se e 1 absteve-se.

No início de novembro a proposta não tinha obtido a quantidade de votos necessária para a sua aprovação, o que foi alcançado agora no seio de um comité de recurso.

Portugal volta a abster-se na renovação da licença do glifosato – Mundo – RTP Notícias https://t.co/8DmvagJJ6c

— Wendy Veena (@veenaji) 27 de novembro de 2017

A atual licença do herbicida termina no dia 15 de dezembro. Apesar do apoio de 18 países, os críticos manifestaram-se desapontados com a decisão.

“Estamos muito desapontados, vemos que aqueles que são suposto proteger o nosso ambiente e a nossa saúde não estão a fazer o que devem. Essencialmente não estão a fazer o que são suposto fazerem. Estão a traír a confiança que os europeus colocam neles e deixam-nos com mais cinco anos de glifosato que contamina o nosso ambiente, os nossos corpos, está na nossa alimentação e é difícil de evitar”, afirma Franziska Achterberg, ativista da organização de defesa do meio-ambiente, Greenpeace.

O orgão representante dos agricultores europeus manifestou igualmente o seu desagrado perante o prolongamento da licença até 2022.

Pekka Pesonen, da organização COPA COGECA, afirma que não há razões para proibir esta substância.

“Estamos a falar de um substância química muito utilizada e que é considerada segura, utilizamo-la de forma muito responsável na Europa. Por lei somos obrigados a ter formação e existem testes frequentes. Estamos desapontados por todo este trabalho, especialmente as avaliações da EFSA (Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos) e ECA ( Agência Europeia dos Produtos Químicos), neste caso ambas instituições europeias, os estados-membros tenham mesmo assim optado por decisões que não seguem essa consistência”, afirma.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados reveem regras para aprovar pesticidas

Starmer inicia reconciliação com UE: "Restabelecer relações, redescobrir interesses comuns"

"Porque é que havemos de considerar uma pessoa assim? Zelenskyy rejeita a "missão de paz" de Orbán