Cartão Azul poderia ajudar refugiados e migrantes a encontrar trabalho

Cartão Azul poderia ajudar refugiados e migrantes a encontrar trabalho
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O envelhecimento em geral e a diminuição da população ativa na União Europeia terão de ser compensados ​com trabalho de refugiados migrantes, de acordo com estudos da OCDE. Uma possibilidade poderia ser expandir o Cartão Azul - licença de trabalho -, mas a revisão da diretiva está bloqueada.

PUBLICIDADE

O envelhecimento em geral e a diminuição da população ativa na União Europeia terão de ser compensados ​com trabalho de refugiados migrantes, de acordo com estudos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico.

A Holanda foi um dos nove Estados-membros que participou no projeto-piloto Skills2work, operacionalizado pela Organização Internacional para as Migrações, nos últimos dois anos, para integar refugiados no mercado de trabalho europeu.

"Estou contente por poder pagar impostos porque, graças a Deus, recebi subsídio da segurança social apenas ao longo de sete meses. Não foi muito tempo. Agora já estou a devolver o dinheiro que me foi dado dos impostos pagos por outras pessoas. Os meus impostos servem também para ajudar outras pessoas a receberem o apoio de que precisam", contou John, um refugiado da Síria que era gestor de vendas e agora é cozinheiro numa empresa de catering, em Amesterdão, o que ajudou à sua integração.

"Começo a sentir que este é o meu país, este é o meu povo e meus colegas são tão bons comigo que me começo a sentir, realmente, em casa", acrescentou.

John foi um dos cerca de 300 refugiados que a delegação na Holanda da multinacional de recursos humanos Manpower já ajudou, enquanto parceira do programa Skills2work.

O objetivo é fazer a ligação com as autoridades locais, organizações não-governamentais e empregadores. Aprender a língua é o principal desafio, mas há outras necessidades que são abordadas.

"Cada indivíduo é diferente, não temos apenas um tipo de formação para todos os refugiados. Nalguns casos, trabalhamos em conjunto com os municípios e ajudamos a procurar emprego, a perceber como funcionar o mercado de trabalho na Holanda, como redigir o CV, como lidar com sos colegas", explicou Dirco Dekker, gestor de desenvolvimento social na Manpower.

Criado em 2009 para atrair migrantes altamente qualificados que não são cidadãos da União Europeia para o mercado de trabalho europeu, o Cartão Azul poderia ser uma das formas legais e seguras de trazer migrantes e refugiados para a União Europeia.

Mas a revisão desta diretiva está bloqueada, há meses, pelos governos dos Estados-membros, que não chegam a acordo sobre a proposta da Comissão e do Parlamento europeus para expandir o acesso ao Cartão Azul aos refugiados em toda a União Europeia e torná-lo mais flexível.

Algumas das alterações seriam: baixar a duração do contrato de 12 meses para seis meses, dar equivalência entre experiência profissional e qualificações académicas e permitir que os utentes passem a residir em qualquer Estado-membro a partir de três anos, em vez de cinco.

Claude Moraes, relator da revisão e presidente da Comissão de Justiça e Liberdades Civis no Parlamento Europeu, critica a falta de vontade política.

"Achamos que podemos ir para onde queremos no mundo e convidar quem queremos para vir para a Europa, mas não queremos gerir a migração que nos chega. Esse é um problema que se refletiu nessa simples revisão do Cartão Azul, que é bastante usado por países como a Alemanha, mas com o atual debate tóxico foi rejeitado", disse o eurodeputado britânico de centro-esquerda.

Só com luz verde dos Estados-membros, a revisão da diretiva poderá ser aprovada no plenário do Parlamento Europeu e adotada para ajudar mais pessoas como John a acederem ao mercado de trabalho europeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Afegão propõe mentorado para integrar refugiados

Acordo sobre migração tem forte teste pela frente

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris