EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

NATO: Rússia e dinheiro geram acrimónia na cimeira

NATO: Rússia e dinheiro geram acrimónia na cimeira
Direitos de autor Ludovic Marin/Pool via REUTERS
Direitos de autor Ludovic Marin/Pool via REUTERS
De  Andrei BeketovIsabel Marques da Silva com Lusa
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Apesar de ausente da sala, a Rússia tem o potencial para ser uma espécie de elefante numa loja de cristais durante a cimeira da NATO, que começou esta quarta-feira, em Bruxelas. O investimento que cada membro deve fazer é, também, um motivo de acrimónia entre EUA e aliados europeus.

PUBLICIDADE

Apesar de ausente da sala, a Rússia tem o potencial para ser uma espécie de elefante numa loja de cristais durante a cimeira da NATO, que começou esta quarta-feira, em Bruxelas.

"Não aceitamos a anexação ilegal da Crimeia, não aceitamos propaganda cibernética ou interferência nos processos políticos internos. Mas, para mim, isso tudo isso não é um argumento a favor do isolamento da Rússia ou do corte de diálogo com a Rússia. Na verdade, penso o contrário. Acho que, quando a tensão está ao rubro, é ainda mais importante conversar com a Rússia", disse Jens Stoltenberg, secretário-geral da Aliança Atlântica.

Mas o presidente dos EUA, Donald Trump, contrapôs que o nível de comércio da Alemanha com a Rússia é incongruente com a aposta da NATO em reforçar a capacidade defensiva face a essa potência.

Sobre esse reforço, Aleksandr Goltz, analista militar russo, realçou à euronews: "A Rússia vê como uma ameaça a mudança de estratégia em curso, nomeadamente, a chamada iniciativa 4x30, que significa ter em estado de pronta intervenção um contingente da NATO constituído por 30 navios, 30 batalhões e 30 esquadrões da força aérea".

Esta estratégia implica maior investimento dos membros da NATO e o presidente norte-americano insiste que não vai continuar a pagar a maior parcela da conta.

"O fator-chave nesta cimeira é os europeus conseguirem convencer Donald Trump de que a sua despesa atual é suficiente. É preocupante ver que, na mente de Trump, a questão dos gastos com defesa está associada a questões comerciais", disse, à euronews, Brooks Tigner, analista militar norte-americano.

REUTERS/Darrin Zammit Lupi

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, disse aos jornalistas que apresentaria "um quadro anualizado" que especifica que o país vai consagrar 1,66% do Produto Interno Bruto (PIB) a despesas em defesa, até 2024, ficando aquém do objetivo de 2% que foi definido entre os países membros da NATO, em 2014.

"É um quadro de evolução gradual, sustentado, e compatível com as diferentes necessidades orçamentais do país nos mais diversos domínios", indicou António Costa, que se deslocou à cimeira acompanhado dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes.

Quando questionado sobre se ainda vale a pena tentar dialogar com racionalidade com o Presidente dos Estados Unidos, António Costa disse que nunca se deve perder a racionalidade, "que deve sempre estar presente em todos os momentos da vida política", nem tão pouco imitar os comportamentos "algo diferenciados" de outros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Helsínquia, ponto de encontro entre Ocidente e Oriente

Que países-membros da NATO destinam mais receitas para a defesa?

Cimeira Nato: Imprevisível Trump de volta à Europa