Vítima de atentado terrorista corre na maratona de Bruxelas

Vítima de atentado terrorista corre na maratona de Bruxelas
De  Damon Embling com Pedro Sacadura
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O ex-basquetebolista Sébastien Bellin encontrava-se no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, no dia do atentado de março de 2016. Perdeu parte da perna esquerda, deixou de jogar e tornou-se diretor geral da equipa Spirou Charleroi, da Bélgica.

PUBLICIDADE

Há mais de dois anos atrás não sabia se poderia voltar a caminhar, quanto mais correr, mas o domingo de 28 de outubro de 2018 ficará para sempre na memória de Sébastien Bellin.

Vítima do atentando terrorista no aeroporto de Bruxelas, em 2016, participou na maratona da capital Belga, aos 40 anos.

Para o ex-basquetebolista, que perdeu parte da perna esquerda, é uma questão de superação pessoal.

"É um grande momento. Sonhei com isto. Era um dos meus objetivos durante a reabilitação, na travessia dos últimos dois anos e meio. Estou entusiasmado para perceber como é que o meu corpo vai reagir", sublinhou Bellin em entrevista à Euronews.

Na contagem decrescente para a hora da verdade Sébastien faz alongamentos antes de se alinhar com os outros atletas. Parte logo depois para uma prova que o vai levar a percorrer as ruas da cidade no coração da Europa.

Damon Embling, Euronews - "Sébastien já concluiu corridas menores mas esta maratona de 42 quilómetros é a prova mais dura para ele, física e mentalmente."

O percurso da maratona é desafiante, com algumas subidas íngremes. Cerca de cinco horas e meia depois, Sébastien cruza a linha de meta, exausto e emocionado.

"É fantástico. Vou riscar isto da minha lista. Há dois anos e meio atrás, quando estava na cama do hospital, não pensei que fosse capaz de fazer isto. (...) Foi uma viagem e tanto", acrescenta Bellin.

O belga com 2,06 metros nasceu em São Paulo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris

Cólera dos agricultores em Espanha e França está para durar

Comissão Europeia desbloqueará 137 mil milhões de euros para Polónia