EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Varoufakis: "A UE está a seguir Washington asfixiando a Venezuela"

Varoufakis: "A UE está a seguir Washington asfixiando a Venezuela"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O antigo ministro grego das Finanças manifestou-se em entrevista à Euronews

PUBLICIDADE

Na sequência da entrevista que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, deu à Euronews, as reações multiplicaram-se.

O antigo ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, criticou a violência no país mas apoiou a visão de Maduro de que a União Europeia está a seguir a postura dos EUA. Sublinhou que Bruxelas deve deixar de tomar partido.

"A União Europeia está a seguir cegamente Washington asfixiando a Venezuela e tornando impossível qualquer tipo de negociação da dívida. Desta forma está a destruir as vidas da maioria dos venezuelanos ou a ajudar a concretizar uma ação malévola", sublinhou Yanis Varoufakis.

Na Parlamento Europeu, os eurodeputados rejeitam as acusações. O socialista Ramón Jáuregui tem acompanhado a situação na Venezuela. O também presidente da Delegação à Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana diz que a Europa procura o diálogo e está contra qualquer tipo de presença militar: "Os americanos adotaram uma estratégia que provoca a implosão interior. Não fazem mais, não querem negociar, não querem um Grupo de Contacto. Admito que os EUA fazem isso. Os Europeus fazem outra coisa diferente. O que estamos a procurar é uma negociação que torne possíveis as eleições a curto prazo e com garantias."

A eurodeputada Beatriz Becerra, da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa, tem apoiado a oposição venezuelana. Em reação às acusações de Maduro de que a Europa tomou partido responde que está claro que a União Europeia não foi e não deve ser imparcial: "Claro que sim. Nicolás Maduro esteve, por uma vez, esteve em cheque. A União Europeia não é imparcial nem equidistante. A União Europeia tomou partido há muito tempo pela democracia, pelos direitos humanos e acima de tudo pelo respeito pelas instituições. É algo que Maduro não só enfraqueceu ao longo do seu mandato como também agravou de forma bastante séria."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guaidó dá prazo para ajuda humanitária entrar na Venezuela

Varoufakis apresenta propostas

126 milhões de euros em apoio militar para a Ucrânia ainda este ano, promete Portugal