EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA ameaçam indústria automóvel da União Europeia

EUA ameaçam indústria automóvel da União Europeia
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos da América levantaram a possibilidade de aumentar as tarifas sobre as importações de carros europeus.

PUBLICIDADE

Os automóveis europeus voltaram a estar no centro das discussões, depois de um fim de semana tenso nas relações transatlânticas, .

De um lado, os Estados Unidos a alegar que as importações de carros europeus são uma ameaça à segurança nacional, do outro, a Alemanha a recusar qualquer aumento de tarifas sobre as importações com base em questões de segurança.

Já Bruxelas garante uma resposta rápida e apropriada, perante qualquer ação "prejudicial para os interesses europeus" por parte dos Estados Unidos,

"O presidente Juncker confia na palavra do presidente Trump. A União Europeia mantém a palavra, desde que os EUA façam o mesmo", afirmou o porta-voz da Comissão Europeia Margaritis Schinas.

A palavra do presidente dos Estados Unidos e do presidente da Comissão Europeia foi celebrada num acordo assinado no verão de 2018, em que as duas partes se comprometeram a reduzir tarifas a produtos industriais, salvaguardando a indústria automóvel.

Com os laços transatlânticos enfraquecidos, alguns Democratas fizeram questão de acalmar os receios europeus.

Em viagem pela Europa, o senador democrata por Nova Jérsia, Bob Menendez, defendeu que "há muitas vozes nos Estados Unidos, inclusive no Congresso. O presidente tem um número limitado de mandatos, o Congresso não. Portanto, vai sempre haver um relacionamento, que está enraizado numa forte crença bipartidária na aliança transatlântica na União Europeia e na NATO".

Além das fricções comerciais, outras questões políticas tinham já dividido Estados Unidos e Europa, durante a Conferência de Segurança, este fim-de-semana, em Munique.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Donald Trump admite agravar taxas às importações e não só à China

Guerra comercial EUA-UE. Bruxelas cobra 25% nas importações

Bruxelas contra-ataca: anunciadas tarifas sobre importações dos EUA