EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Governo líbio quer garantias efetivas de apoio internacional

Governo líbio quer garantias efetivas de apoio internacional
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embaixador líbio na União Europeia diz que garantias de apoio já dadas pela comunidade internacional "não são efetivas", pois Tripoli está a ser atacada pelo Exército Nacional Sírio liderado por Khalifa Haftar

PUBLICIDADE

O chefe do governo líbio apoiado pela ONU deslocou-se a Bruxelas para pedir garantias internacionais para o futuro do país. Al-Serraj foi recebido pela chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que voltou a apelar a um cessar-fogo na Líbia, onde os combates pelo controlo da capital, Tripoli, já fizeram mais de 450 mortos e 66.000 deslocados desde abril, segundo as Nações Unidas.

Para o embaixador líbio na União Europeia, Hafed Gaddur, o diálogo só é possível com a retirada do Exército Nacional Líbio:

"Enquanto esta agressão continuar, vamos defender-nos. Estamos dispostos a retomar as negociações e o diálogo político, mas para tal o agressor deve logicamente regressar à base de onde veio. A única coisa que estamos a fazer é defender a cidade, o governo e o acordo político."

O país observou um recrudescimento da violência desde que as tropas lideradas pelo marechal Khalifa Haftar, homem forte do leste da Líbia, lançaram uma ofensiva contra a capital no início de abril. Al-Serraj embarcou numa maratona diplomática pela Europa, que resultou numa série de declarações políticas de apoio, mas agora o Governo de Unidade Nacional quer um sinal mais forte da comunidade internacional:

"Pedimos garantias, porque a comunidade internacional sempre nos disse que Tripoli nunca seria atacada. Mas estas garantias não são efetivas, porque 10 dias antes da conferência da ONU, o agressor chegou a Tripoli e atacou a capital. Por isso, se falarmos numa trégua, acredito que deve haver alguém que seja um garante internacional. Pode ser a ONU, a União Europeia ou outra potência."

O risco de um conflito duradouro parece atualmente o cenário mais provável, com consequências também além fronteiras, nomeadamente nos fluxos de migração clandestina em direção à Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Juiz grego deixa cair acusações contra nove suspeitos de causarem naufrágio que matou 500 migrantes

Começa o julgamento do plano de golpe de extrema-direita na Alemanha

Inundações obrigam a declarar estado de emergência na região russa da Iacútia