EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Borrell quer salvar acordo nuclear com Irão

Borrell quer salvar acordo nuclear com Irão
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Borrell quer salvar acordo nuclear com Irão

PUBLICIDADE

"Esforços diplomáticos intensos e de boa-fé" é a receita de Josep Borrel para levar por diante o processo de resolução de diferendos lançado pela França, Alemanha e Reino Unido contra o Irão por causa do não cumprimento do acordo nuclear.

"O fracasso do esforço para preservar o acordo só aumentará as tensões na região. Imaginem, por um segundo, qual seria a situação atualmente se o Irão tivesse armas nucleares", disse o chefe da diplomacia da União Europeia na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo (França), terça-feira, tendo também emitido um comunicado oficial.

Cabe a Borrell supervisionar as negociações no âmbito do processo de resolução, que visa convencer o Irão a parar de enriquecer urânio que poderá levar ao desenvolvimento da bomba atómica.

O acordo foi abandonado pelos EUA quando Donald Trump chegou ao poder e este tem reforçado as sanções económicas.

Os parceiros europeus, bem como a China e Rússia, que também são signatárias, tentam manter o acordo vivo.

Manter o apoio financeiro europeu?

Uma das apostas é a proteção das empresas europeias a operar no Irão e outros incentivos financeiros, algo fundamental para apaziguar o regime de Teerão, segundo peritos que estiveram envolvidos na negociação do acordo durante a presidência dos EUA por Barack Obama.

"A questão principal para os europeus, neste momento, e na qual se terão de concentrar os peritos, é saber como encontrar uma maneira de manter benefícios económicos para o Irão, indo contra a vontade dos Estados Unidos. Mas poderá ser preciso que os EUA aceitem esses apoios, algo muito mais difícil conseguir pois exigirá que Irão e os EUA se ponham de acordo sobre dar alguns passos positivos", disse Robert Malley, presidente do Grupo Internacional de Crises.

A primeira ronda negocial deverá decorrer ao longo de duas semanas. Por agora, os participantes prometem tudo fazer para evitar chegar ao ponto de pedir a imposição de sanções por parte das Nações Unidas contra o Irão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Impasse sobre nuclear iraniano

Eleições em França: Alemães preparam-se para abalo sísmico na política da UE

Imigração, Ucrânia, energia: Qual é a posição da extrema-direita francesa?