EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Breves de Bruxelas": Nova consulta pública sobre cancro na UE

"Breves de Bruxelas": Nova consulta pública sobre cancro na UE
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Breves de Bruxelas": Nova consulta pública sobre cancro na UE

PUBLICIDADE

O coro irlandês "Mar de Mudança" escolheu a porta do Parlamento Europeu, em Bruxelas, para celebrar o Dia Internacional da Luta Contra o Cancro, a 4 de fevereiro.

"Cerca de metade do nosso coro sobreviveu ao cancro e a outra metade são grandes apoiantes de vítimas de cancro. Estamos aqui para inspirar as pessoas, para dizer que recordamos a memória das pessoas que perdemos e que muitos de nos ainda cá estamos e somos gratos", disse Fee Featherstone, porta-voz do coro.

Há 3,5 milhões de novos casos por ano na União Europeia, e a doença é a segunda causa de morte, tendo vitimado 1,3 milhões de pessoas no ano passado.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von derLeyen, recordou a sua perda pessoal: "Ouvi a palavra cancro pela primeira vez quando era adolescente. Eu tinha 13 anos quando minha irmã morreu de um cancro da pele, com apenas 11 anos de idade".

O executivo está a preparar um Plano de Ação contra o Cancro, para mudar a tendência na próxima década, e lançou uma consulta pública.

"O objetivo da consulta é ser o mais inclusiva possível, envolvendo todas as partes interessadas, desde os governos dos Estados-membros, aos parlamentos, cidadãos, pacientes. Todos poderão contribuir para mudar o panorama do cancro em todos os Estados-membros", explicou Stella Kyriakides, comissária europeia para a Saúde.

Prevenção e diagnóstico precoce deverão ser duas apostas principais para aumentar a taxa de sobreviventes.

"Tive o meu diagnóstico há 18 anos, pouco depois de ser ter criado o Dia Internacional da Luta Contra o Cancro. Eu tinha 28 anos, tive uma doença muito má e fiz tratamento ao longo de mais de um ano. Não pude ter filhos biológicos por causa do meu cancro, mas isso abriu portas para um novo mundo porque sou mãe de acolhimento, trabalho na educação, formei-me em psicologia, estou ao meio do meu mestrado e canto com estas senhoras fantásticas", exclamou Lesley Finnegan, maestrina do coro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ameaça oncológica nos hospitais na sombra da Covid-19

Investigação contra o cancro vence Prémio Nobel da Medicina

Eleitores da minoria russa na Estónia prontos a votar nas próximas eleições europeias