"Estado da União": O futuro da relação UE-EUA

"Estado da União": O futuro da relação UE-EUA
Direitos de autor TIMOTHY A. CLARY/AFP or licensors
De  Isabel Marques da SilvaDarren McCaffrey
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Entrevistas com Jana Puglierin, investigadora no Conselho Europeu de Relações Externas, e Ian Lesser, vice-presidente do The German Marshall Fund of the US.

PUBLICIDADE

Depois de uma semana "mirabolante" para a contagem dos votos nas eleições nos EUA, o programa analisa o que se espera para a futura relação entre União Europeia e EUA, com entrevistas a dois analistas políticos: Jana Puglierin, investigadora no Conselho Europeu de Relações Externas (CERE, em Berlim) e Ian Lesser, vice-presidente do The German Marshall Fund of the US (TGMF, em Bruxelas).

Darren McCaffrey/euronews: Foi uma semana muito longa e tensa nos Estados Unidos, com uma longa contagem de votos e muita troca de acusações. Como pensa que os líderes da União Europeia estão a avaliar este processo? Estarão um pouco chocados e apreensivos, presumo?

Jana Puglierin/analista no CERE: Penso que estarão um pouco tensos. Na Europa havia a expectativa de se materializar uma vitória clara para Joe Biden, mas não foi o caso. Penso que há, também, alguma perplexidade por o atual presidente ter declarado vitória a meio do processo, como que coroando-se como futuro presidente dos Estados Unidos.

(Veja na íntegra em vídeo)

Darren McCaffrey/euronews: Foi uma semana extraordinária, uma eleição muito acirrada, não necessariamente o que algumas pessoas esperavam. O que pensa daquela que se pode classificar como a mais extraordinária de todas as eleições nos Estados Unidos?

Ian Lesser/analista TGMF: Foi, de facto, uma semana extraordinária, mas já tivemos outras igualmente extraordinárias. No ano 2000 tivemos algo parecido, com um resultado quase empatado e que arrastou o processo por muito tempo. Mas esta foi extraordinária sobretudo devido à polarização no país, ao estilo inacreditável do presidente e aos seus esforços para, de certa forma, deslegitimar os resultados das eleições, sejam eles quais forem.

(Veja na íntegra em vídeo)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"UE tem de reduzir vulnerabilidade face aos EUA", defende Lamy

"Teremos de lidar com uma América que mudou", diz Grybauskaitė

“Estado da União”: Proteger a natureza e controlar gigantes digitais