"UE tem de reduzir vulnerabilidade face aos EUA", defende Lamy

"UE tem de reduzir vulnerabilidade face aos EUA", defende Lamy
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaEfi Koutsokosta
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O comércio é uma das áreas de contenda entre EUA e o resto do mundo, nomeadamente com a União Europeia. Poucas horas depois do fecho das urnas, a euronews entrevistou Pascal Lamy, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (2005 a 2013).

PUBLICIDADE

O comércio é uma das áreas de contenda entre EUA e o resto do mundo, nomeadamente com a União Europeia. Poucas horas depois do fecho das urnas, a euronews entrevistou Pascal Lamy, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (2005 a 2013), que agora é presidente do Fórum da Paz de Paris.

Efi Koutsokosta/euronews: Parece que Donald Trump é, de certa forma, um vencedor, independentemente do resultado eleitoral. Depois de quatro anos no poder, pensa que a visão protecionista de Trump ao nível das políticas comerciais e económicas pode ser vista como uma vitória? O "Trumpismo" veio para ficar?

Pascal Lamy/especialista em comércio internacional: Penso que, independentemente da opinião que tenhamos da pessoa, e cada um terá as suas opiniões, é claro que ele tem o apoio de grande parte da opinião pública norte-americana. Não tenho a certeza de que sua política comercial seja o resultado disso. Ele queria reduzir o défice comercial dos EUA, mas acabou por o aumentar. Portanto, é tudo uma questão de política, de discursos, mas não de economia real. Infelizmente é assim.

**Efi Koutsokosta/euronews: **No entanto, nos últimos anos, vimos grandes mudanças, incluindo a ascensão da China como o principal rival geopolítico e tecnológico dos Estados Unidos. Há um aprofundamento da desigualdade dos rendimentos nos EUA e no resto do mundo, algo que se agrava, também, por causa da pandemia de Covid-19. Portanto, é realista esperar que o próximo presidente queira investir na renovação do multilateralismo a nível comercial? Ou será que a política de comprar mais produtos norte-americanos vai ter algum apoio?

**Pascal Lamy/especialista em comércio internacional: **Os EUA consideram que a China é uma ameaça. A China considera que os EUA são uma ameaça. Isso terá consequências geopolíticas e comerciais, mas não decorre de uma posição protecionista a priori. Penso que se Joe Biden se tornar o presidente dos EUA também vai considerar que a China é uma ameaça para os EUA, mas lidaria com a China de forma diferente, não através de confronto mas da negociação.

**Efi Koutsokosta/euronews: **Todos estes desenvolvimentos nos Estados Unidos levarão a Europa a tentar ser mais unida e a ter protagonismo a nível global, ou a unidade europeia poderá ser prejudicada, também, pelas divisões internas que se vêem do outra lado do oceano Atlântico?

**Pascal Lamy/especialista em comércio internacional: **Penso que a rivalidade entre EUA e China é o verdadeiro jogo em termos geopolítico, nos próximos vinte anos. A União Europeia precisa de se unir para reduzir a sua vulnerabilidade tanto em relação à China como aos EUA, e não há outra forma de reduzir a vulnerabilidade a não ser ter mais integração europeia. Todos sabemos que é difícil, que é complexo. Mas, em certo sentido, os EUA, a Rússia, a Turquia e a China estão a indicar qual o caminho que devemos seguir. Se quisermos defender os nossos interesses e valores na cena internacional temos de apostar em maior integração europeia. Penso que é uma necessidade que, passo a passo, se sentirá cada vez mais, se ainda não for o caso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova estratégia da UE para os EUA terá cinco prioridades

"Estado da União": O futuro da relação UE-EUA

"Estado da União": Escândalos políticos "aquecem" campanha eleitoral