EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Jovens italianos exigem investimento na empregabilidade

Jovens italianos exigem investimento na empregabilidade
Direitos de autor "1 is not enough” campaigners
Direitos de autor "1 is not enough” campaigners
De  Isabel Marques da SilvaElena Cavallone
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia estabeleceu 30 de abril como data limite para receber os planos nacionais dos Estados-membros para usar o fundo de resposta à crise. Um dos critérios principais é o investimento em políticas de juventude.

PUBLICIDADE

Lorenzo Sanchez , de 24 anos, está a fazer uma dura caminhada para encontrar uma oportunidade no mercado de trabalho em Itália. Apesar de ter tido grandes dificuldades financeiras, conseguiu diplomar-se em línguas modernas e obteve uma bolsa para estudar nos Estados Unidos.

Mesmo com um brilhante percurso académico, o mercado laboral tem-se revelado um deserto. A taxa de desemprego juvenil em Itália ronda os 30%.

“Quando regressei dos Estados Unidos, pretendia seguir uma carreira na academia ou trabalhar como consultor político, mas percebi - e também me foi dito - que os meus sonhos não podem tornar-se realidade neste momento, na situação atual. Isto porque, nuns casos, tenho demasiadas qualificações mas falta de experiência, e noutros porque sou demasiado jovem para poder obter experiência. É estranho", disse o jovem, que se tornou ativista n área da empregabilidade, em entrevista à euronews.

Lorenzo Sanchez e alguns amigos na mesma situação lançaram uma campanha chamada "1% não é suficiente".

O plano nacional de recuperação dos impactos da pandemia destina apenas 1% da tranche italiana do Fundo Próxima Geração da União Europeia para as medidas de empregabilidade dos jovens. O país deverá receber 209 mil milhões de euros.

“Itália é um país que tem uma lacuna significativa nos investimentos na juventude. Destinar apenas três mil milhões de euros, durante em uma das maiores crises da História, não é de todo suficiente. Já não era suficiente antes da pandemia e certamente não o é agora. Pedimos ao governo que use cerca de 10% do total do fundo”, disse Lorenz Sanchez.

Mais estágios remunerados

O governo de Mario Draghi está a finalizar a proposta que vai submter a uma primeira votação, no parlamento, a 30 de março.

A campanha já surtiu efeito junto dos deputados, estando alguns deles disponíveis para pressionar por um aumento da verba para os 3% do pacote de ajudas.

“Temos que lutar contra a política de estágios não remunerados e regular esse mercado. Gostaríamos de lançar um programa de emergência para conseguir trazer os jovens para as empresas. O Estado deveria financiar períodos de integração dos jovens nas empresas para trabalharem ou estudarem”, disse Massimo Ungaro, deputado do partido "Italia Viva", em entrevista à euronews.

Aposta no digital

A Comissão Europeia estabeleceu 30 de abril como data limite para receber os planos nacionais dos Estados-membros para usar o fundo de resposta à crise. Um dos critérios principais é o investimento em políticas de juventude.

O comissário europeu do Trabalho e Direitos Sociais, Nicolas Schmit,  destaca a necessidade de capacitação ao nível das competências digitais: “Podemos formar os jovens num tempo relativamente curto para obterem empregos no setor digital. Certamente que, depois da crise, a digitalização das economias, do tecido empresarial , vai acelerar-se muito".

Existem percentagens mínimas de investimentos que os países tem de fazer para a transição ecológica e para a transição digital ditadas pela Comissão Europeia. Mas o executivo comunitário não indicou um teto mínimo na despesa com políticas destinadas à juventude.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pandemia cria casos sérios de doença mental nos jovens

Eurodeputados exigem medidas contra desemprego e fome

Paris 2024: adeptos já desfrutam da maior competição desportiva do mundo