EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Diplomacia europeia procura lugar no Médio Oriente

Diplomacia europeia procura lugar no Médio Oriente
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Diplomacia europeia procura lugar no Médio Oriente. À exceção da inicaitiva francesa para envolver o presidente egípcio como mediador, a UE conitnua à procura de oportunidades para ganhar relevância na região.

PUBLICIDADE

O conflito entre Israel e os Palestinianos entrou numa nova fase com o Hamas e os ultranacionalistas em Tel Aviv e Jerusalém a comandarem ações militares.

O conflito inscreve-se nos jogos de poder regionais que duram há anos no Médio Oriente.

Tudo isto representa um desafio considerável para a diplomacia europeia que procura um papel de relevância na região.

Para Israel contudo não é tempo de falar mas sim de lidar com a ofensiva do Hamas.

"A nossa intenção é muito clara. A nossa intenção é colocar um ponto final nos ataques terroristas a partir de Gaza levados a cabo pelo Hamas, o Irão e outras organizações terroristas na região, contra alvos israelitas civis nas cidades e localidades", afirma Walid Abu Haya, vice chefe da Missão de Israel Junto da UE e NATO.

A nova administração norte-americana mudou a retórica em comparação com a anterior administração Trump. No terreno contudo nada mudou. Washington continua a defender os interesses israelitas.

A União Europeia está isolada e dividida num altura em que, segundo Washington e Israel, o Irão estaria a estender a sua influência na região aumentando a presença militar na fronteira com Israel.
A Turquia, por seu lado, está claramente do lado palestiniano.

"Erdogan não perdeu o sonho de se tornar no líder de um novo tipo de império otomano, ele mostrou isso em outros conflitos, ele está na Líbia, no Nagorno Karabakh e outros lugares. Infelizmente, o que guia Erdogan não é a solução para a situação atual, mas sim os seus próprios interesses ligados à liderança da situação no Médio Oriente", adianta Evin Icir, eurodeputada sueca do grupo parlamentar dos Socialistas & Democratas.

A diplomacia europeia está paralisada à exceção da tentativa francesa de apresentar o presidente egípcio Al Sissi como um mediador de confiança.

Há 30 anos que a União Europeia joga as cartas dos investimentos e do auxílio económico em troca de ganhos políticos que nunca obteve, mesmo apesar dos laços fortes mantidos com Israel.

Martin Konecny, da ONG EuMEP (Projeto Médio Oriente) afirma que a UE não traduziu a parceria económica em ganhos políticos.

"A parte comercial da UE é a maior porque se trata do maior parceiro comercial para Israel e também no que toca a outras formas de cooperação como a cooperação científica, a UE é o parceiro bilateral mais significativo do lado económico. No que toca à política são os EUA, em parte porque a UE não foi capaz de traduzir a relação económica em vantagem política", afirma o especialista.

No quadro financeiro multianual entre 2017 e 2020, a Palestina recebeu 1,28 mil milhões de euros para financiar projetos de estado de direito, segurança dos cidadãos e direitos humanos, para além de investimentos em infraestruturas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Esforços diplomáticos não travam violência entre Israel e o Hamas

Conflito entre israelitas e palestinianos sem cessar-fogo à vista

União Europeia procura posição comum sobre Médio Oriente