EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eurodeputados desafiam China em visita a Taiwan

Eurodeputados desafiam China em visita a Taiwan
Direitos de autor Twitter account of Taiwan Ministry of Foreign Affairs
Direitos de autor Twitter account of Taiwan Ministry of Foreign Affairs
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Imprensa chinesa fala em "provocação." Trata-se da primeira delegação a visitar a ilha autónoma desde a criação do Parlamento Europeu

PUBLICIDADE

Sob o olhar atento da China, uma delegação de eurodeputados está em Taiwan para uma visita histórica de três dias, a primeira desde a criação do Parlamento Europeu.

Na bagagem trouxeram a ambição de discutir o combate à desinformação, os esforços para reforçar a ciber-resiliência do território e uma mensagem clara de apoio à democracia.

O mal-estar em Pequim, que reclama a soberania sobre a ilha Formosa, é evidente. A imprensa oficial chinesa falou num ato de "provocação."

A delegação começou por se reunir com o primeiro-ministro, Su Tseng-chang, mas também está previsto um encontro com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, esta quinta-feira.

"Penso que o mundo ainda não entendeu, de forma suficiente, como é difícil e ao mesmo um sinal de coragem construir uma democracia sob a ameaça de um regime autoritário como o de Pequim", sublinhou o eurodeputado socialista francês Raphaël Glucksmann, que presidente a comissão parlamentar especial sobre Ingerência Estrangeira em Todos os Processos Democráticos na União Europeia, incluindo a Desinformação (INGE).

Glucksmann integra a delegação juntamente com Andrius Kubilius e Georgios Kyrtsos, do grupo do Partido Popular Europeu, com o socialista Andreas Schieder e com Petras Austrevicius, do grupo Renovar a Europa. Markéta Gregorová, do grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia e Marco Dreosto do grupo Identidade e Democracia também fazem parte do grupo.

O presidente da comissão parlamentar INGE foi um dos eurodeputados sancionados por Pequim, em março.

Aconteceu depois Bruxelas apresentar sanções contra quatro pessoas e uma entidade chinesa por violações dos direitos humanos relacionadas com a minoria muçulmana uigur em Xinjiang.

Os eurodeputados dizem que a visita é crítica para as relações com as democracias próximas da China com preocupação em matéria de ingerência política e desinformação.

Mikko Huotari, do think tank Instituto Mercator para os Estudos da China, antevê consequências: "É claramente um sinal de que algumas partes da máquina de Bruxelas levam Taiwan e os assuntos de Taiwan muito mais a sério atualmente. Também é uma expressão de preocupação europeia, e penso que é generalizada em relação às tensões que estão a aumentar no estreito de Taiwan entre a China continental e Taiwan. Penso igualmente que é algo que irá despertar a atenção em Pequim, e será preciso esperar respostas de Pequim a dizer aos europeus que é preciso parar com isto e que se trata de uma violação do princípio da China única."

O Governo chinês entende que esta visita viola não só o compromisso europeu com a política da "China única" como também afeta as relações bilaterais.

Taiwan tem tentado, cada vez mais, expandir os esforços diplomáticos na Europa.

Na semana passada, o ministro dos Negócios Estrangeiros visitou Bruxelas. Reuniu-se com eurodeputados e membros do parlamento belga. Mas Joseph Wu não se encontrou com os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho da União Europeia, Charles Michel.

Um sinal de como este é um assunto sensível para as relações União Europeia-China.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Troca de prisioneiros entre o Irão e a Suécia: Hamid Nouri libertado

Peter Pellegrini toma posse como novo presidente da Eslováquia

Segurança máxima na Suíça na conferência de paz para a Ucrânia