Bruxelas aciona ajudas para setor das pescas sob pressão

Bruxelas aciona ajudas para setor das pescas sob pressão
Direitos de autor Aida Sánchez, Euronews
De  Aida Sanchez Alonso
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na Bélgica, pescadores e armadores queixam-se do impacto asfixiante do aumento do preço dos combustíveis por causa da guerra na Ucrânia

PUBLICIDADE

A guerra na Ucrânia está a agitar as águas de setores como o da pesca. A indústria já vivia dias difíceis, mas as coisas vão de mal a pior.

O preço do combustível já estava a subir há alguns meses, mas disparou para níveis insustentáveis, desde que a Rússia começou a ofensiva contra a Ucrânia.

"Não é só o gasóleo que nos está a asfixiar. Também precisamos de muitos materiais derivados do petróleo e de um pouco de ferro. Os preços estão a subir descontroladamente. Os preços do peixe são bons, mas não o suficiente para cobrir os nossos custos", sublinhou, em entrevista à Euronews, o armador Geert de Groote.

Países como França já anunciaram uma ajuda de emergência para a compra de combustível, mas na vizinha Espanha, o setor das pescas avançou para a greve. Em muitos outros Estados-membros ainda não há medidas em vigor.

Mas de vinte países europeus - com Espanha à cabeça - pediram medidas extraordinárias de apoio à Comissão Europeia e parecem ter sido ouvidos.

Apesar dos protestos do setor agiu-se rapidamente, disse à Euronews Virginijus Sinkevičius, O comissário europeu com a pasta do Ambiente, Oceanos e Pescas.

Estão previstas ajudas estatais para compensar os armadores até 35 mil euros por causa dos custos de produção adicionais, como o preço do combustível. Também será ativado um mecanismo de crise para que os fundos europeus possam mitigar o impacto.

Caberá depois aos Estados-membros executar tudo isto.

"Os Estados-Membros têm de garantir que utilizam estas possibilidades o mais rapidamente possível para que o fundo chegue aos pescadores e pescadoras, à indústria transformadora o mais rapidamente possível", lembrou Virginijus Sinkevičius.

Os planos estarão ativos dentro de dias e terão efeitos retroativos, começando a contar desde 24 de Fevereiro, o dia que ficou para a história como aquele em que a Rússia iniciou a ofensiva contra a Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que faz o Parlamento Europeu?

O que faz a Comissão Europeia?

O que faz o Conselho Europeu?