Estado da União: Conflito na Ucrânia condiciona futuro europeu?

Ursula von der Leyen juntou-se aos ucranianos na Grand Place, em Bruxelas
Ursula von der Leyen juntou-se aos ucranianos na Grand Place, em Bruxelas Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Isabel Marques da SilvaMeabh McMahon
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Estado da União: Conflito na Ucrânia condiciona futuro europeu no longo prazo, com governantes e analistas cada vez mais convictos do prolongamento da guerra causada pela Rússia.

PUBLICIDADE

As instituições da União Europeia (UE) ainda não retomaram o ritmo habitual neste final de verão, mas a presidente da Comissão Europeia fez questão de juntar-se à comunidade ucraniana no centro histórico de Bruxelas.

Ursula von der Leyen foi celebrar o Dia da Independência da Ucrânia (24 de agosto), que coincidiu com o dia que marca os seis meses desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, e prometeu apoio para a reconstrução do país.

A invasão desencadeou a maior crise de refugiados no continente desde a Segunda Guerra Mundial. De acordo com o a agência da ONU para os refugiados (ACNUR), 6,7 milhões de ucranianos estão a residir na Europa, com a maioria a viver na Polónia, Alemanha e Chequia.

Contudo, meio ano desde que a UE lançou um Esquema de Proteção Temporária, a solidariedade, a cedência de alojamentos e os recursos estão a esgotar-se. Para analisar este tema, a euronews entrevistou Florian Trauner, professor de ciência política na Universidade Livre de Bruxelas.

"O regime de proteção temporária foi realmente uma inovação, algo que a UE nunca tinha utilizado, e é definitivamente um instrumento muito eficaz. É um sucesso em termos de dar um primeiro apoio aos ucranianos quando chegam. Eles não passam pelo incómodo de fazer candidaturas individuais, com papelada. É relativamente desburocratizado e rápido", explicou Florian Trauner.

"Dito isto, ainda existem desafios a resolver. Os refugiados têm acesso ao mercado de trabalho, mas não falam as línguas de certos países. Por isso, é muito difícil integrá-los no mercado de trabalho. Há o problema das suas qualificações. Os Estados-membros não reconhecem automaticamente as qualificações que os ucranianos adquiriram no seu país", acrescentou o académico.

Veja a entrevista na íntegra, em vídeo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PM da Ucrânia visita Bruxelas para receber mais apoio da UE

Autoridades ucranianas distribuem comprimidos de iodo

Bruxelas celebra Dia da Independência da Ucrânia e promete apoio