Parlamento Europeu "condena" Marrocos

Access to the comments Comentários
De  euronews  com Lusa
Parlamento Europeu adotou resolução sobre Direitos Humanos em Marrocos
Parlamento Europeu adotou resolução sobre Direitos Humanos em Marrocos   -   Direitos de autor  Jean-Francois Badias/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

Pela primeira vez em 25 anos, o Parlamento Europeu votou pela condenação de Marrocos. Os eurodeputados pedem a Rabat que respeite a liberdade de imprensa no país e liberte todos os presos políticos e jornalistas.

O Parlamento Europeu adotou três resoluções sobre o respeito dos Direitos Humanos em Marrocos, Brasil e Nagorno-Karabakh.

Numa altura em que um escândalo de corrupção que envolve alegadamente o Qatar e Marrocos está a abalar o Parlamento Europeu, Rabat é acusado de continuar a tentar fazer lóbi junto dos eurodeputados.

"Claramente não é ilegal, mas é impróprio, é ética e politicamente reprovável. Não deveria acontecer, muito menos enquanto decorre este escândalo", afirma Miguel Urbán Crespo, eurodeputado espanhol do Grupo da Esquerda no Parlamento Europeu. 

O Grupo da Esquerda no Parlamento Europeu mostrou à Euronews uma carta das autoridades marroquinas que tenta convencer os seus membros a não votarem para condenar o país e a reunirem-se para discutir o assunto.

Mas a resolução não inclui as mesmas medidas aplicadas ao Qatar.

O Parlamento Europeu condenou, esta quinta-feira, veementemente o recente ataque às instituições democráticas no Brasil, repudiou as tentativas do ex-presidente Jair Bolsonaro para “desacreditar o sistema eleitoral” e saudou os esforços com vista a uma investigação rápida e imparcial. A resolução foi adotada com 319 votos a favor, 46 contra e 74 abstenções.

Outra resolução adotada pelo Parlamento Europeu apela ao Conselho e aos Estados-membros para acrescentarem a Guarda Revolucionária do Irão à lista de organizações terroristas.

O texto não exige que os Estados-membros atuem, mas pressiona-os antes da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia na próxima segunda-feira, em que se vai discutir o quarto pacote de sanções.

O país tem fornecido drones à Rússia para usar contra a Ucrânia, além de reprimir violentamente protestos pacíficos após a morte de Mahsa Amini.

"Queríamos enviar um sinal muito claro, forte e unido ao regime iraniano de que isto realmente está fora de controlo e que achamos que eles estão a comportar-se como terroristas ao aterrorizar os seus cidadãos e toda a região", diz Hannah Neumann, eurodeputada alemã, Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia.

A resolução também pede sanções contra o líder supremo do Irão, Ali Khamenei, e o presidente Ebrahim Raisi.