EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Como se relaciona a UE com Taiwan, que não reconhece como Estado?

Taiwan não é reconhecida, genericamente, como Estado nem é membro da Organização das Nações Unidas
Taiwan não é reconhecida, genericamente, como Estado nem é membro da Organização das Nações Unidas Direitos de autor Vincent Thian/AP
Direitos de autor Vincent Thian/AP
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A UE tem até um "gabinete económico e comercial" em Taipé, uma espécie de sub-embaixada.

PUBLICIDADE

Aos olhos da União Europeia (UE), Taiwan é uma democracia próspera, um parceiro político, uma economia aberta, um destino atraente para o investimento e um produtor imbatível de tecnologia de ponta.

Mas não é um país. Apesar dos laços estreitos e valores partilhados, a UE não considera Taiwan como uma nação soberana e independente.

Porquê? Tudo data do fim da Segunda Guerra Mundial, quando a República da China assumiu o controlo de Taiwan, uma ilha situada a 130 quilómetros do continente.

Mas a República da China, governada pelo partido Kuomintang, viveu intensas lutas pelo poder.

A situação agravou-se em finais de 1949, quando o Partido Comunista, liderado por Mao Tse Tung, ganhou uma longa guerra civil e proclamou a República Popular da China.

Derrotado, o governo da República da China retirou-se para Taiwan, seguido por milhões de tropas e de civis.

A situação criou, na prática, duas entidades separadas pelo Estreito de Taiwan: a República Popular da China, no continente e apoiada pela União Soviética; e a República da China, em Taiwan e apoiada pelos Estados Unidos.

Mudança nos anos 70

No início, o Ocidente considerou a República Popular da China como o legítimo representante do povo chinês, no exílio.

Mas, nos anos 70, a diplomacia mudou e a República Popular da China ganhou reconhecimento como o único e legítimo governo da China.

Isto deu origem à política de "Uma só China", que é atualmente seguida pela grande maioria da comunidade internacional, incluindo as instituições da União Europeia e os seus 27 Estados-membros. Taiwan não é reconhecida como Estado nem é membro da Organização das Nações Unidas.

De facto, a ilha, que continua a auto-intitular-se República da China, tem relações diplomáticas oficiais com apenas 12 países e com a Santa Sé.

Mas a UE mantém relações informais com Taiwan e a cooperação em questões como os direitos humanos, comércio, alterações climáticas e segurança.

A UE tem, até, um "gabinete económico e comercial" em Taipé (capital da ilha), uma espécie de sub-embaixada.

Numa declaração à Euronews, um porta-voz da Comissão Europeia afirmou: "De acordo com a política da UE de "Uma só China" e a Estratégia Indo-Pacífico, a UE continuará a dialogar com Taiwan em áreas de interesse comum ou global, sem qualquer reconhecimento da condição de Estado".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Annalena Baerbock insta China a exercer pressão sobre a Rússia para acabar com a guerra

Cortejada por Le Pen e von der Leyen, Meloni tem as cartas na mão antes das eleições europeias

O que une e o que divide diferentes fações de extrema-direita na UE?