EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Cortejada por Le Pen e von der Leyen, Meloni tem as cartas na mão antes das eleições europeias

Marine Le Pen (à esquerda), Giorgia Meloni (ao centro), Ursula von der Leyen (à direita)
Marine Le Pen (à esquerda), Giorgia Meloni (ao centro), Ursula von der Leyen (à direita) Direitos de autor Euronews 2024
Direitos de autor Euronews 2024
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Enquanto caminha na corda bamba entre as forças do centro e da extrema-direita, o próximo passo de Meloni poderá ter consequências profundas para o futuro caminho político da UE.

PUBLICIDADE

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, foi apresentada como um improvável elemento decisor antes das eleições europeias de junho, ao ser cortejada tanto por Ursula von der Leyen, do centro-direita, como pela francesa Marine Le Pen, da extrema-direita.

No domingo, Marine Le Pen disse ao jornal italiano Corriere della Sera que pedia o apoio de Meloni para unir os partidos de extrema-direita do Parlamento Europeu num supergrupo desta área. Os partidos estão atualmente divididos entre o grupo Identidade e Democracia (ID) de Le Pen e o grupo nacionalista Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) de Meloni.

As sondagens efectuadas pela Euronews antes das eleições europeias de junho sugerem que estes dois grupos poderão obter 144 lugares entre si e, se unificados, poderão ultrapassar o centro-esquerda e os liberais, tornando-se a segunda maior força política do Parlamento.

O partido de extrema-direita de Le Pen, o Rassemblement National, está a ganhar terreno nas sondagens e poderá conquistar um impressionante terço dos votos franceses no escrutínio de junho. O partido rompeu recentemente com a Alternativa para a Alemanha (AfD), mais radical e pró-russa, e suavizou a sua posição eurocética, numa clara tentativa de se aproximar da corrente principal da direita.

Mas, ao mesmo tempo, Ursula von der Leyen, do Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, também está a cobiçar o apoio de Giorgia Meloni e dos seus deputados dos Irmãos de Itália para garantir o seu segundo mandato à frente da Comissão Europeia, o poderoso braço executivo do bloco.

Von der Leyen está na pole position para liderar o executivo nos próximos cinco anos, uma vez que é a candidata principal do PPE, que lidera as sondagens pan-europeias.

Na campanha, von der Leyen deixou claro que considera que Meloni demonstrou as suas credenciais pró-UE e pró-Ucrânia desde que chegou ao poder em Itália em 2022, após uma campanha ferozmente eurocética, tornando o seu partido um parceiro credível em Bruxelas.

O novo dilema de Meloni deixou os analistas divididos. Alguns dizem que a primeira-ministra italiana só pode continuar a cortejar von der Leyen ou Meloni.

"Meloni vê-se com duas mãos estendidas (...) uma de Le Pen, outra de von der Leyen. Meloni só poderá pegar numa delas", disse o politólogo Nicolai von Ondarza.

Von der Leyen colocou explicitamente na lista negra o Rassemblement National de Le Pen pela sua posição historicamente favorável à Rússia, classificando o partido como "fantoches e representantes de Putin". Isto significa que a aproximação a Le Pen pode rapidamente acabar com a oportunidade de Meloni exercer maior influência em Bruxelas, apoiando o EPP de von der Leyen, no poder.

Von Ondarza diz que, se aceitar o convite de von der Leyen para "co-direcionar diretamente a política da UE", não terá outra alternativa senão "afastar Le Pen, Orbán e companhia".

Mas Francesco Nicoli, do think tankBruegel, disse à Euronews que Meloni vai querer usar o seu recém-descoberto "pragmatismo" para extrair o máximo de influência política possível da situação, respondendo taticamente às propostas de Le Pen e von der Leyen.

"Do ponto de vista político, continuo a acreditar que estas duas opções (Le Pen e von der Leyen) não estão necessariamente em contradição", disse Nicoli.

Para Nicoli, é "perfeitamente possível" que Meloni junte forças com Le Pen para formar um grupo de extrema-direita reforçado no Parlamento Europeu e que partes do grupo "dêem apoio" a uma coligação liderada por von der Leyen.

"Mesmo que criem um grupo conjunto, isso não significa que o grupo conjunto vá votar de forma coerente", explicou Nicoli.

Mesmo que a extrema-direita crie um grupo conjunto, isso não significa que o grupo conjunto vá votar de forma coerente.
Francesco Nicoli
Analista do "think tank" Bruegel

O supergrupo de extrema-direita poderá mesmo ser formado depois da votação no parlamento para eleger o próximo presidente da Comissão, prevista para meados de setembro, o que permitiria à primeira classificada von der Leyen contar com o apoio dos seus tradicionais parceiros centristas e de esquerda, bem como dos deputados de direita afetos a Meloni.

Esses aliados históricos, sobretudo de centro-esquerda, têm vindo a reforçar os seus avisos a von der Leyen para não "namoriscar" Meloni e outros aliados de extrema-direita.

Na sexta-feira, o chanceler alemão Olaf Scholz, que lidera um governo de coligação tripartido entre o centro-esquerda, os Verdes e os liberais, avisou von der Leyen para não contar com parceiros de extrema-direita na formação da sua nova Comissão.

PUBLICIDADE

No início de maio, os aliados tradicionais de von der Leyen - os Socialistas e Democratas (S&D) de centro-esquerda, o grupo liberal Renovar a Europa e os Verdes - assinaram uma declaração em que se comprometiam a nunca se aliarem à extrema-direita "a qualquer nível" e apelaram à presidente da Comissão para que "rejeitasse firmemente qualquer normalização, cooperação ou aliança com a extrema-direita e os partidos radicais".

A extrema-direita quer livrar-se dos extremistas

A manobra de Le Pen surge num momento de turbulência para o seu grupo de partidos Identidade e Democracia (ID), que pediu a expulsão dos membros da Alternativa para a Alemanha (AfD) na semana passada, devido a comentários feitos pelo seu candidato principal, Maximilian Krah, alegando que nem todos os militantes das SS nazis eram "automaticamente" criminosos. 

A ID - que também acolhe os parceiros de governo de Meloni, a Liga, bem como o Partido Neerlandês para a Liberdade (PVV) de Geert Wilders - era anteriormente apontada como a terceira maior força política no novo parlamento, logo a seguir aos liberais. Mas a expulsão da AfD significa que os números serão reduzidos em cerca de 17 lugares, com o ECR de Meloni a ficar à frente do ID nas sondagens.

O desaparecimento da AfD também abriu a possibilidade de uma remodelação da direita.

Na semana passada, Anders Vistisen - o principal  representante da ID na campanha para as eleições europeias e aliado de Le Pen - disse à Euronews que a fusão das duas facções de extrema-direita do Parlamento Europeu "vai acontecer um dia".

PUBLICIDADE

De acordo com uma fonte do Rassemblement National, Le Pen está também a avaliar a possibilidade de unir forças com Viktor Orbán e o seu partido no poder, o Fidesz, que tem estado politicamente sem casa no Parlamento Europeu desde que foi forçado a sair do PPE de centro-direita em 2021. O Fidesz deverá ganhar cerca de 10 lugares em junho.

Mas com Orbán a continuar a bloquear as principais decisões europeias sobre a Ucrânia - incluindo a utilização de ativos russos congelados para comprar armas para as forças ucranianas e o início formal das negociações de adesão de Kiev à UE - a mudança pode impedir Le Pen de se livrar dos seus laços tradicionais com a Rússia de Putin.

"Marine Le Pen compreendeu que, se quiser ter uma verdadeira oportunidade de se tornar a próxima Presidente de França, que é o seu objetivo final, a abordagem de Meloni é a que provavelmente oferece as maiores hipóteses de sucesso", explicou Nicoli.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Von der Leyen admite acordo com eleitos pelo partido de Meloni

O que une e o que divide diferentes fações de extrema-direita na UE?

Montenegro endurece regras da imigração em Portugal antes das próximas eleições europeias