EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Com 30 lugares, o Rassemblement National é a maior delegação nacional do Parlamento Europeu

Marine Le Pen e Jordan Bardella.
Marine Le Pen e Jordan Bardella. Direitos de autor Thomas Padilla/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Thomas Padilla/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em francês

A nível de grupos parlamentares, o Identidade e Democracia, de extrema-direita, ocupa o quinto lugar. O Partido Popular Europeu (PPE) tem o maior número de lugares.

PUBLICIDADE

O Rassemblement National passa a ser a maior delegação no Parlamento Europeu, depois de ter conquistado 30 lugares nas eleições europeias de domingo. Este partido francês de extrema-direita tem mais deputados de que todos os outros partidos na União Europeia.

No entanto, a nível do Parlamento Europeu, o grupo de extrema-direita de que faz parte, Identidade e Democracia, ficou em quinto lugar nas eleições europeias. Os conservadores do Partido Popular Europeu (PPE) continuam a ser os mais numerosos.

O presidente da delegação do Rassemblement National no Parlamento Europeu, Jean-Paul Garraud, falou ao podcast Schuman da Euronews.

"Somos um grande grupo que simboliza um aumento da soberania em toda a Europa, em diferentes graus", disse Jean-Paul Garraud.

Para o líder do grupo Identidade e Democracia, os eleitores europeus compreenderam que as questões em jogo nestas eleições europeias"afetam-nos diariamente" em domínios como a "imigração" e a "energia".

Agora é altura de negociar com outros grupos para tentar alargar o grupo. Marine Le Pen e Giorgia Meloni estão a tentar criar um"supergrupo" no Parlamento Europeu.

Grupo parlamentar alarga contactos

Entretanto, a francesa Marine Le Pen, o italiano Matteo Salvini e os outros líderes dos partidos de extrema-direita europeus reuniram-se em Bruxelas para fazer o ponto da situação.

"Também estabeleci excelentes contactos com outros grupos", como os Conservadores e Reformistas Europeus (CRE), afirmou o presidente da delegação do Rassemblement National no Parlamento Europeu.

Jean-Paul Garraud também menciona o estreitamento de laços com "os espanhóis do Vox" e "os polacos do PiS" (Direito e Justiça).

Fui presidente da delegação do grupo que decidiu excluir o AfD. Portanto, é aí que estamos e é aí que vamos ficar
Jean -Paul Garraud
Líder do grupo Identidade e Democracia

No entanto, a reintegração do partido alemão Alternativa para a Alemanha (AfD), que foi excluído do grupo Identidade e Democracia em maio, não está na ordem do dia, segundo Jean-Paul Garraud.

"Fui presidente da delegação do grupo que decidiu excluir o AfD. Portanto, é aí que estamos e é aí que vamos ficar", garante.

O cordão sanitário, que até agora mantinha a extrema-direita fora do Parlamento Europeu, foi quebrado, congratula-se. O grupo que dirige terá agora mais peso para influenciar a agenda europeia.

Para além disso, o Grupo Identidade e Democracia não exclui a possibilidade de apresentar um candidato à Presidência da Comissão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE: Le Pen, Wilders e aliados debatem formação de supergrupo de extrema-direita

Marine Le Pen: "Bardella será primeiro-ministro" se o Rassemblement National vencer as legislativas

Cortejada por Le Pen e von der Leyen, Meloni tem as cartas na mão antes das eleições europeias