EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE: Le Pen, Wilders e aliados debatem formação de supergrupo de extrema-direita

Marine Le Pen, líder da extrema-direita francesa, e André Ventura, líder do partido português Chega, à esquerda, olham um para o outro durante uma conferência de imprensa no parlamento português
Marine Le Pen, líder da extrema-direita francesa, e André Ventura, líder do partido português Chega, à esquerda, olham um para o outro durante uma conferência de imprensa no parlamento português Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Mared Gwyn Jonesvideo by Vincenzo Genovese
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os líderes de partidos de extrema-direita da UE querem reconfigurar a direita no Parlamento Europeu. André Ventura, do Chega, juntou-se a Le Pen, Wilders, entre outros, na reunião, quarta-feira, em Bruxelas.

PUBLICIDADE

Os líderes querem unir a direita radical da UE, depois de esta ter obtido ganhos nos principais campos de batalha nacionais nas eleições europeias.

A francesa Marine Le Pen - cujo partido Reagrupamento Nacional (RN) é agora a maior delegação de extrema-direita no Parlamento Europeu, depois de ter conquistado 30 lugares nas eleições de 6-9 de junho - encontrou-se com o líder do partido de extrema-direita italiano Liga, Mateo Salvini, antes de uma reunião de líderes pertencentes ao grupo Identidade e Democracia (ID).

Geert Wilders, cujo partido de extrema-direita PVV celebrou recentemente um acordo de coligação para co-governar nos Países Baixos; Tom Van Grieken, líder do Vlaams Belang da Bélgica; e André Ventura, líder do Chega, de Portugal, deverão liderar as conversações, estando também representados os partidos de extrema-direita checo, austríaco e dinamarquês.

A ID está em negociações mais alargadas para formar um grande bloco de direita que lute contra a corrupção, contra a imigração ilegal e para controlar as nossas fronteiras.
André Ventura
Líder do Chega, Portugal

Em comunicado, a Liga afirmou que Salvini e Le Pen discutiram a união do "centro-direita" europeu, apesar de os seus partidos serem considerados dos mais radicais da Europa.

Em declarações aos jornalistas antes da reunião, André Ventura - cujo partido Chega teve grandes ganhos na cena política portuguesa nas eleições legislativas de março - disse que, embora a ID estivesse integrada e alinhada como grupo, também estava a procurar expandir-se ativamente.

"A ID está em negociações mais alargadas para formar um grande bloco de direita que lute contra a corrupção, contra a imigração ilegal e para controlar as nossas fronteiras", afirmou Ventura.

"Se estas conversações conduzirem a um resultado positivo, estaremos prontos a participar. Se não for o caso, também estaremos muito satisfeitos no grupo (ID)", acrescentou.

Supergrupo de extrema-direita?

Os partidos de extrema-direita no Parlamento Europeu estão atualmente divididos em dois campos: a ID e os Conservadores e Reformistas Europeus (CRE), que abrigam partidos como os Irmãos de Itália (FdI), de Giorgia Meloni, e o Vox, de Espanha.

Apesar de não terem saído tão reforçados como se esperava nas eleições europeias da semana passada, poderiam tornar-se a terceira ou mesmo a segunda maior força política no Parlamento Europeu, caso se fundissem.

Em declarações à Euronews, Tom Vandendriessche, eurodeputado do partido belga Vlaams Belang, afirmou que "estamos agora a discutir com todos os partidos políticos da UE, com todos os nossos amigos e parceiros".

"Nós, enquanto Vlaams Belang, estamos abertos a qualquer discussão sobre o alargamento do grupo", acrescentou.

Dias antes do escrutínio europeu, Marine Le Pen disse ao jornal italiano Corriere della Sera que estava a tentar obter o apoio da primeira-ministra italiana Giorgia Meloni para unir o seu próprio grupo ID com o CRE, formando um supergrupo de extrema-direita.

A iniciativa é considerada arriscada para Meloni, que estabeleceu uma relação estreita com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e pode perder uma oportunidade de cimentar a sua influência na cena europeia se se abrir a forças mais radicais.

A decisão do presidente francês Emmanuel Macron de convocar eleições legislativas antecipadas também alterou radicalmente a situação, uma vez que Marine Le Pen tem em vista a oportunidade de assumir o controlo da Assembleia Nacional e instalar o seu protegido Jordan Bardella, de 28 anos, como primeiro-ministro de França.

PUBLICIDADE

Isto poderia dar ao RN de Le Pen um fator de atração ainda maior nas tentativas de formar um supergrupo de extrema-direita.

O partido de Viktor Orbán, o Fidesz, também não tem qualquer influência política no Parlamento Europeu e poderia potencialmente reforçar esse supergrupo com 11 lugares.

Divergências sobre Ucrânia

Mas a união destas forças radicais é mais complexa do que parece. Uma questão em particular, o conflito na Ucrânia, revelou uma profunda cisão na direita europeia.

Alguns partidos que são membros do grupo ID, nomeadamente o Partido Austríaco da Liberdade (FPÖ), são considerados pró-russos e opõem-se ao apoio militar e financeiro da UE a Kiev.

PUBLICIDADE

A Alternativa para a Alemanha (AfD) também foi expulsa do grupo no mês passado, na sequência de uma série de escândalos, incluindo alegações de que alguns membros tinham sido pagos por uma operação de influência russa para difundir propaganda pró-Kremlin na Europa.

Os partidos do grupo ID fizeram recentemente tentativas para suavizar a sua posição em questões-chave , como o apoio à Ucrânia e o sentimento anti-europeu.

Numa entrevista à Euronews, no mês passado, o responsável pela campanha europeia do ID, Anders Vistisen, criticou duramente a União Europeia pelo que considerou ser a sua incapacidade de "dar um passo em frente" ao fornecer a Kiev a ajuda militar e o equipamento de que necessita para resistir à invasão russa.

Líderes como Le Pen e Wilders também voltaram atrás em relação a sugestões anteriores de que deixariam o bloco de 27 países se chegassem ao poder no seu país.

PUBLICIDADE

No período que antecedeu as eleições legislativas antecipadas em França, o partido de Le Pen chegou a distanciar-se dos seus homólogos de direita radical, como o Reconqwuista de Éric Zemmour, enquanto tentava assegurar a lealdade dos parceiros de centro-direita.

As forças centristas e de esquerda alertaram as forças tradicionais de centro-direita da Europa para o facto de não se deixarem cortejar por parceiros radicais, avisando que isso poderia ter consequências devastadoras para a Ucrânia e para a própria estabilidade geopolítica da Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eric Ciotti expulso do partido conservador francês por se ter aliado à extrema-direita

A Europa vira-se para a direita, mas o centro resiste: o que significam os resultados das eleições europeias e o que se segue

Europeias: PS com oito eleitos, mais um do que a AD; Chega desce a pique e vê IL muito perto