EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

França: Extrema-direita com forte avanço em todas as sondagens

Eric Ciotti, à esquerda, presidente do partido conservador Les Republicains, e o presidente do partido de extrema-direita Rally Nacional, Jordan Bardella, participam numa reunião com os empresários franceses
Eric Ciotti, à esquerda, presidente do partido conservador Les Republicains, e o presidente do partido de extrema-direita Rally Nacional, Jordan Bardella, participam numa reunião com os empresários franceses Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Sergio CantoneFrancesco Sismondini
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com sondagens recentes, o Rassemblement Nacional, de extrema-direita, e os seus aliados lideram as projecções, mas não têm a maioria absoluta necessária para formar governo.

PUBLICIDADE

No domingo, os franceses votam na primeira volta das eleições legislativas antecipadas convocadas pelo presidente Emmanuel Macron, depois de o seu partido ter sofrido uma hemorragia de votos nas eleições europeias do início de junho.

Após a segunda volta, marcada para 7 de julho, os franceses e o resto do continente ficarão a conhecer os resultados de uma das eleições mais importantes dos últimos 22 anos.

O que sugerem as intenções de voto

De acordo com uma sondagem da Ipsos para a France Bleu, divulgada este sábado, o Rassemblement National (RN), de extrema-direita, e os seus aliados, a fação do partido Os Republicanos afeta a Éric Ciotti (LR-Ciotti), lideram as intenções de voto (35,5%).

A Nova Frente Popular, de esquerda e socialista, vem logo atrás, com 29,5%, muito à frente do Ensemble (19,5%), o campo presidencial de Macron.

A sondagem da Elabe para a BFMTV e La Tribune du Dimanche, publicada no sábado, prevê que 36% dos eleitores apoiem o RN, que deverá obter entre 250 e 280 lugares na Assembleia Nacional, juntamente com o LR-Ciotti. A maioria absoluta na câmara baixa do Parlamento francês é de 289 lugares.

Em França, o líder do partido político que ganha as eleições legislativas tem a prerrogativa de se tornar chefe do governo. É nomeado pelo Presidente da República e aprovado pela Assembleia Nacional. Sem maioria absoluta, Jordan Bardella só pode tentar tornar-se primeiro-ministro se a sua maioria obtiver o apoio de outros partidos.

Na sexta-feira passada, a sondagem da Odoxa para o Le Nouvel Obs previa que o RN e os seus aliados recebessem 33% dos votos, a Nova Frente Popular 28% e o Ensemble de Macron 19%.

A supersondagem da Euronews - a média das principais previsões - prevê que o RN+LR-Ciotti obtenha 34,8% dos votos, seguido da Nova Frente Popular com 28,2% e do Ensemble com 19,5%.

French President Emmanuel Macron
French President Emmanuel Macron Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.

Só os partidos que obtiverem pelo menos 12,5% dos votos poderão passar à segunda volta.

A decisão de Ciotti de associar a sua própria lista ao RN afetou os republicanos, uma vez que os herdeiros históricos do poderoso centro-direita gaullista, republicano e democrata-cristão francês parecem estar em risco de serem excluídos da segunda volta das eleições legislativas.

De acordo com o Centro de Sondagens Euronews, o LR-Ciotti poderá atingir 8,5% dos votos. Nesse cenário, não passaria à segunda volta, mas os seus eleitores poderiam tornar-se o fator decisivo no resultado final, tal como os de outros partidos mais pequenos, como o R! da extrema-direita de Éric Zemmour e outras forças centristas e de esquerda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aumentam preocupações com as propostas económicas dos partidos antes das eleições francesas

Tribunal proíbe israelitas de participarem em exposição de armas em Paris

Eric Ciotti expulso do partido conservador francês por se ter aliado à extrema-direita