EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Scholz preocupado com eleições em França

Scholz diz que continuará a ver Macron como principal interlocutor
Scholz diz que continuará a ver Macron como principal interlocutor Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Ricardo Figueira
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chanceler alemão mostrou o desejo de que o Rassemblement National, de Marine Le Pen e Jordan Bardella, não saia vencedor. A primeira volta está marcada para esta quinta-feira.

PUBLICIDADE

O chanceler alemão Olaf Scholz mostrou-se preocupado com o possível resultado das eleições legislativas antecipadas francesas, cuja primeira volta está marcada para esta quinta-feira, em que a extrema-direita, representada pelo partido Rassemblement National de Marine Le Pen e Jordan Bardella, lidera as sondagens, depois de uma expressiva vitória nas eleições europeias.

"Estou preocupado com as eleições em França. Quero dizê-lo explicitamente. Espero que os partidos que não o de Le Pen, por assim dizer, tenham sucesso nas eleições. Mas isso cabe aos franceses decidir", disse o chefe do governo alemão.

O presidente Emmanuel Macrondissolveu a Assembleia depois das eleições europeias e marcou legislativas antecipadas. Não é claro o que vai decidir, em termos de formação de governo, se nenhum partido ou coligação obtiver a maioria absoluta, que é o cenário mais provável.

O chanceler disse que continuaria a ver o presidente francês como chefe de governo, independentemente do resultado das eleições. A segunda volta está marcada para o dia 7 de julho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições antecipadas em França: como funcionam e quais são os resultados possíveis?

'Les Bleus' unem uma França dividida perante as próximas eleições

França: extrema-direita quer maioria absoluta nas legislativas antecipadas