EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

França: extrema-direita quer maioria absoluta nas legislativas antecipadas

Jordan Bardella
Jordan Bardella Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líder do Rassemblement National, Jordan Bardella, deixa claro que não quer ser "colaborador do presidente da República".

PUBLICIDADE

O líder do partido de extrema-direita francês, Rassemblement National (RN), afirma que quer ter uma maioria clara e absoluta de deputados na Assembleia Nacional após as duas rondas de eleições antecipadas convocadas pelo Presidente Emmanuel Macron para 30 de junho e 7 de julho.

Jordan Bardella, de 28 anos, disse à CNews que não pretende "ser o colaborador do Presidente da República".

Macron continua a ser presidente até 2027 e tem a seu cargo a política externa e a defesa, mas a sua presidência ficaria enfraquecida se o RN ganhasse e assumisse o poder do governo e da política interna.

Questionado sobre as posições assumidas pelos jogadores de futebol franceses Marcus Thuram e Kylian Mbappé, que apelaram ao voto contra os extremos, Bardella disse ter ficado "um pouco irritado por ver estes desportistas que ganham muito dinheiro darem lições a pessoas que lutam para sobreviver".

"Não estou convencido de que, no momento difícil que o país e o povo francês estão a atravessar, estas lições de moral sejam muito apreciadas pelas pessoas", acrescentou.

As sondagens francesas sugerem que o RN deverá ficar à frente na primeira volta das eleições legislativas. Segundo o barómetro da Challenges/Harris Interactive, o partido liderado por Bardella reúne 34% das intenções de voto, contra 18,7% em 2022.

A formação política de extrema-direita ficou em primeiro lugar nas eleições europeias, obtendo mais de 30% dos votos, quase o dobro do resultado alcançado pelo partido de Macron, o Renaissance.

"Catástrofe"

O primeiro-ministro francês Gabriel Attal disse na segunda-feira que uma vitória dos extremos seria "uma catástrofe" para o país.

"Não são os extremos, com os seus programas inaplicáveis de caos económico que levariam a um período muito duro para os nossos trabalhadores de classe média, que têm a resposta. A resposta somos nós, os candidatos do 'Juntos pela República'", afirmou Attal em entrevista à rádio RTL.

Os líderes dos partidos de esquerda franceses uniram-se numa nova coligação e delinearam o seu plano na sexta-feira para impedir que a extrema-direita suba ao poder nas próximas eleições legislativas nacionais.

Para além dos partidos ecologistas, a aliança da Nova Frente Popular, que tem o nome de uma coligação semelhante formada na década de 1930 contra a ascensão do fascismo em França, inclui também os socialistas e os comunistas franceses e o partido de esquerda França Insubmissa, de Jean-Luc Melenchon, que tem sido acusado de assumir uma postura antissemita na sequência da guerra Israel-Hamas.

Os líderes dos partidos de esquerda franceses, habitualmente divididos, sublinharam que todos se comprometeram durante quatro dias de negociações e alinharam os seus pontos de vista sobre questões como a guerra na Ucrânia e o conflito Israel-Hamas para evitar uma vitória do campo de Marine Le Pen.

O RN também está à procura de aliados para aumentar as suas hipóteses de se tornar a primeira força de extrema-direita a liderar o governo francês desde a ocupação nazi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arrancou a campanha para as eleições legislativas antecipadas em França

"Estado da União": Eleições europeias mergulham França na incerteza

Eleições antecipadas em França: Porque é que foram anunciadas e o que se segue?