This content is not available in your region

Adubo com estrutura óssea

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Adubo com estrutura óssea

Na Hungria, os cientistas envolvidos num projeto europeu de investigação estão a tentar desenvolver um fertilizante orgânico, com um ingrediente improvável: ossos de porco.

Para Edward Soméus, Engenheiro Ambiental na Terra Humana Ltd e Coordenador do projeto REFERTIL: “Aqui estão ossos de carne de porco de qualidade, ricos em fósforo e outros minerais. Ao queimá-los conseguimos produzir carvão que pode ser usado como fosfato na agricultura biológica”.

Os ossos são queimados a cerca de 600°C, na ausência de oxigénio e em vácuo e não é emitido nenhum tipo de gás para a atmosfera.

O produto final é rico em minerais e, ao contrário dos fertilizantes agroquímicos, não contém metais pesados​​ – segundo os investigadores. É um adubo de fósforo orgânico.

“Estes ossos têm estruturas macroporosas. O que é muito bom para os micro-organismos do solo, principalmente os fungos. Os fungos podem entrar nas estruturas e usá-las como se fossem uma casa onde podem viver”, acrescenta Edward Soméus.

O produto foi avaliado em laboratório em Budapeste, os investigadores dizem estar livre de possíveis fontes de contaminação, como de metais pesados ​​e certos tipos de hidrocarbonetos.

As amostras do carvão feito com ossos também estão a ser analisadas para identificar os compostos químicos internos.

Na opinião do Químico Zoltán Palotai: “No futuro este produto pode ser uma fonte natural de fosfatos para solos agrícolas, uma vez que contém 30% de fosfato. Assim como o fósforo, que também contém uma grande quantidade de alcaloides como o cálcio, já que o elemento principal é o fosfato de cálcio”.

Os investigadores estão agora a estudar de que forma estes compostos podem ser úteis nas plantações de alimentos.

O Agrónomo Massimo Pugliese, da Universidade de Turim explica as características deste adubo: “Usar um adubo de alta qualidade feito com ossos de animais permite que as plantas resistam melhor ao stress ambiental, como à seca. Também as ajuda na luta contra os elementos patogénicos. O que vai permitir que a planta produza melhores colheitas”.

Numa central de tratamento de resíduos perto de Budapeste, todos os anos são produzidas 5 mil toneladas de compostos biológicos.

O produto feito a partir de ossos de animais pode funcionar de forma independente, como adubo natural, ou ser usado como complemento noutros fertilizantes, desde que o preço de mercado seja razoável.

O Engenheiro Agrónomo e diretor administrativo da central ProfiKomp, László Alexa adianta que: “A verdadeira questão é a competitividade. Mesmo que cientificamente consigamos provar que o produto tem resultados favoráveis, a questão é se o mercado consegue suportar os custos adicionais desta mistura”.

Estes adubos orgânicos, com estrutura óssea, podem tornar-se uma realidade nas culturas europeias, nos próximos 5 anos.

Mais info em: www.refertil.info