This content is not available in your region

Cidades inteligentes não se medem aos palmos

De  Charlotte Kan & Euronews
euronews_icons_loading
Cidades inteligentes não se medem aos palmos
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de metade das pessoas no mundo vive em áreas urbanas. No Japão são 92% da população.

O desequilíbrio gera desafios em termos de sustentabilidade. Por essa razão, o país está a criar novos tipos de cidades, independentemente da sua dimensão, permitindo a comunidades mais pequenas usar tecnologia inovadora, como a Internet das Coisas, e grandes ideias, como a economia de partilha, para se tornarem mais sustentáveis.

Fujisawa

Construída no local de uma antiga fábrica da Panasonic, esta nova comunidade é o lar de cerca de 2000 pessoas.

Sci-Tech/Euronews
Habitante controla gastos energéticosSci-Tech/Euronews

Todas as casas estão equipadas com painéis solares e sistemas inteligentes de monitorização. Isto permite aos habitantes acompanhar o próprio consumo de energia, tanto a nível doméstico como a nível comunitário.

“Ver os números, só por si, tem um grande impacto, encoraja-nos a ter mais cuidado com as ações amigas do ambiente”, afirma uma das habitantes.

Para reduzir os níveis de C02, há recompensas pelas boas ações ecológicas. Os habitantes são também encorajados a pedalar e a partilhar veículos eléctricos.

Ao contrário de outros projetos de cidades inteligentes, centrados na tecnologia, aqui, o centro de ação está nos residentes.

O sistema está planeado a 100 anos e tem em conta todos os aspectos da vida dos habitantes, desde a energia à segurança, mobilidade, bem-estar, comunidade e também emergências.

Sci-Tech/Euronews
Cidade dispõe de um sistema de partilha de carros elétricosSci-Tech/Euronews

“No que respeita à sustentabilidade, nesta cidade determinámos algumas metas ambientais e energéticas. São objetivos ligados à redução de CO2, poupança de água, utilização de energias renováveis e, mais importante ainda, um plano de recuperação em caso de catástrofe natural, que garante a autonomia em eletricidade e alimentos durante 3 dias" explica o diretor-geral do departamento de desenvolvimento empresarial da Panasonic, Arakawa Takeshi.

No projeto, trabalham em conjunto 18 organizações.

À medida que a necessidade de uma vida saudável e próspera aumenta no mundo, e nomeadamente na China, a cidade inteligente sustentável de Fujisawa está a ganhar reconhecimento como um caso de estudo pioneiro no Japão.

O projeto para a cidade inteligente de Yixing, na China Oriental, alicerçou o desenvolvimento e gestão da cidade no conceito japonês de desenvolvimento urbano baseado no estilo de vida. O projeto foi bem recebido, todas as casas à venda na primeira fase foram imediatamente vendidas.

Kashiwanoha

Na ecocidade de Kashiwanoha, uma revolucionária central energética tem por base a instalação de uma rede inteligente que inclui um dos maiores sistemas de células de armazenamento de iões de lítio do Japão, bem como geradores solares e de emergência, alimentados a gás.

Supervisionada pelo Centro Inteligente da cidade, a rede pode responder de forma imediata a uma eventual escassez de energia e ser autónoma durante três dias.

Sci-Tech/Euronews
Centro inteligenteSci-Tech/Euronews

O sistema de gestão de energia é único e foi desenvolvido após a cidade ter sofrido um apagão, na sequência do terramoto que, em março de 2011, abalou o país. Atualmente ajuda também a reduzir em mais de 25% o pico de consumo de energia.

“Neste momento, o Japão está a construir cidades inteligentes com base num conceito lançado pelo Governo chamado 'Sociedade 5.0'. E a ideia central deste conceito é 'cidades inteligentes centradas nas pessoas', ou 'centradas no ser humano'. Kashiwanoha não está apenas a introduzir a mais recente tecnologia. Queremos assegurar que os habitantes locais saibam usá-la para construir um lugar onde todos se possam sentir felizes", revela Deguchi Atsushi, engenheiro e professor na Universidade de Tóquio.

O Centro de Desenho Urbano é o local onde os habitantes locais podem conhecer a cidade inteligente e relacionar-se enquanto comunidade.

O centro cívico é também um ponto de encontro para as parcerias entre os diferentes intervenientes no projeto do mundo público, privado e académico.

Aqui, a colaboração é já hoje o ingrediente-chave para o sucesso das comunidades inteligentes do futuro.