Berlim: aeroporto de Tegel será transformado em cidade sustentável

Energias renováveis
Energias renováveis Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Estima-se que esta cidade sustentável possa criar até 20 000 postos de trabalho, com várias empresas a trabalharem em conjunto no aproveitamento das tecnologias renováveis.

PUBLICIDADE

Promotores imobiliários financiados pelo estado alemão estão a construir o que anunciam como a "Cidade do Futuro" no local onde funcionou até 2020 o aeroporto de Tegel, em Berlim. 

Num terreno de 1.236 hectares, que costumava servir até 24 milhões de passageiros por ano, vai nascer um polo tecnológico adaptado às necessidades de um futuro ecológico

Estima-se que a cidade sustentável  criará até 20 mil postos de trabalho, com várias empresas a unirem esforços  no aproveitamento das tecnologias renováveis. O projeto Stoff2 combina o armazenamento de energia com a produção de hidrogénio.

"Queremos tornar possível 100% de energias renováveis com o nosso dispositivo. E o que precisamos para acabar com a nossa dependência dos combustíveis fósseis é de mais energia verde. E na Alemanha, já temos muitas energias renováveis - três, quatro vezes mais do que realmente precisamos. E esse problema só vai aumentar daqui para a frente, por isso precisamos de pensar no armazenamento de baterias", afirmou Sebastian Sipp, diretor do projeto Stoff2.

Este ano, a equipa Stoff2 vai apresentar a sua tecnologia na conferência sobre energia que começou em Berlim na terça-feira. 

 Espera-se que o financiamento do projeto ultrapasse os 100 milhões de euros, pelo que necessitará de apoio governamental para se tornar parte da infraestrutura energética geral.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alterações climáticas ameaçam populações de atum do Pacífico

Como garantir que a sustentabilidade se torna e continua a ser uma prioridade empresarial de topo

"Semana Verde" debate neutralidade climática na UE