EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Os custos dos vistos Schengen de curta duração vão aumentar a partir de junho: Eis o que precisa de saber

Os vistos Schengen estão prestes a ficar mais caros.
Os vistos Schengen estão prestes a ficar mais caros. Direitos de autor Pixabay
Direitos de autor Pixabay
De  Euronews Travel
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Comissão Europeia atribuiu o aumento dos preços à inflação nos Estados-Membros.

PUBLICIDADE

O custo de um visto Schengen vai aumentar em junho, confirmou a Comissão Europeia.

O seu preço aumentará 12%. A taxa de base para um visto Schengen vai aumentar de 80 para 90 euros para os adultos e de 40 para 45 euros para as crianças. A Comissão atribuiu o aumento dos preços à inflação nos Estados-Membros.

A Comissão afirma que os emolumentos continuam a ser "relativamente baixos" quando comparados com o custo de um visto noutros países. No Reino Unido, por exemplo, o preço começa em 134 euros, nos EUA em 185 euros e na Austrália em 117 euros.

Os países do espaço Schengen incluem os Estados-Membros da UE, exceto a Irlanda e Chipre, bem como a Roménia e a Bulgária, no que se refere às fronteiras terrestres. Embora não sejam membros da UE, a Noruega, a Islândia, o Liechtenstein e a Suíça também fazem parte da Convenção de Schengen.

Os emolumentos para os vistos Schengen aumentarão a partir de 11 de junho deste ano.

Quem precisa de um visto Schengen?

Os vistos Schengen são necessários para os cidadãos de países terceiros que não beneficiam da regra dos 90 dias do espaço UE/Schengen. Entre eles, contam-se a África do Sul, a Índia, o Paquistão, o Sri Lanka e a China, entre outros.

São necessários para turismo ou visitas a familiares, mas não podem ser utilizados para trabalhar em 28 países europeus. Com um visto Schengen, pode visitar o país por um período máximo de 90 dias num período de seis meses.

As pessoas de países como os Estados Unidos, o Canadá, o Reino Unido e a Austrália que visitam o país por curtos períodos de tempo não precisam de pedir um visto Schengen. Isto deve-se ao facto de terem direito a 90 dias de viagem sem visto em cada 180.

Quem pretender permanecer mais tempo ou trabalhar, terá de solicitar um visto diferente ao país que pretende visitar.

Porque é que as taxas dos vistos Schengen estão a aumentar?

De três em três anos, a Comissão avalia estes emolumentos e pode aumentá-los com base numa lista de "critérios objetivos". Estes incluem as taxas de inflação e o salário médio de um funcionário público nos Estados-Membros.

A Comissão propôs o aumento dos preços a 2 de fevereiro, após uma reunião realizada em dezembro, em que os Estados-Membros apoiaram a revisão por uma "maioria esmagadora".

A Comissão propôs igualmente que os prestadores externos de vistos Schengen possam aumentar as suas taxas em conformidade com a revisão.

O montante máximo que os prestadores externos, como as agências de vistos que recolhem os pedidos de visto Schengen em nome dos Estados-Membros, podem cobrar é geralmente metade da taxa normal. A Comissão propôs aumentar este valor de 40 para 45 euros.

Em contrapartida, os emolumentos para a prorrogação de um visto Schengen manter-se-ão fixos em 30 euros.

A UE está também a considerar aumentar ainda mais os emolumentos para os países que demonstrem "cooperação insuficiente em matéria de readmissão", ou seja, que aceitem a reentrada de pessoas expulsas dos Estados-Membros.

Para os países que não tenham demonstrado cooperação na readmissão de cidadãos, o custo poderá aumentar de 120 para 135 euros e de 160 para 180 euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Barcelona quer proibir a venda de lembranças "ofensivas"

Túnel subaquático vai ligar Dinamarca à Alemanha e substituir 45 minutos de ferry por sete minutos de comboio

"Mau para o turismo": Porque é que os agentes de viagens dizem que o novo sistema de entrada/saída da UE pode voltar a sofrer atrasos