A Europa dos Pais Fundadores da União

A Europa dos Pais Fundadores da União
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Com o fim da II Grande Guerra, em 1945, a Europa estava em ruínas, despedaçada e dividida ao meio. Para reconstruir o continente e criar um clima de paz e prosperidade, os chefes de Estado europeus resolveram trabalhar juntos.

Ficaram conhecidos como Pais Fundadores da Europa.

Konrad Adenhauer, que defendeu:

“- O melhor meio para iniciar uma política é baseá-la na confiança.”

Jean Monnet:

“- As decisões deste primeiro executivo europeu são postas em prática nos seis países como se de um se tratasse.”

Robert Schumann:

“- A França teve sempre como objetivo principal servir a paz.”

Graças a estes homens, e aos que se seguiram, depois de uma primeira união em torno do carvão e do aço, a Europa tornou-se uma realidade económica e política. Em 1957, a Comunidade Económica Europeia – CEE – foi criada, em Roma. Era composta por seis países: a Alemanha, a Bélgica, a França, a Itália, o Luxemburgo e a Holanda.

Ao longo dos anos, a Europa construiu-se e cresceu com ideais democráticos. A Europa acolhe mais quatro países e, em 1986, integra também Portugal e Espanha, saídos da ditadura cerca de uma década antes.

A União Europeia substitui, entretanto, a CEE.

François Mitterrand e Helmut Kohl desempenharam um papel essencial na reconciliação franco-alemã, pedra angular na construção europeia. Em 1989, aconteceu o que o mundo mais desejava desde o início da Guerra Fria: a queda do Muro de Berlim. O acontecimento abriu a via à reunificação alemã, um ano mais tarde. Em 2004, a Europa acolheu mais 10 países, oito dos quais vindos do antigo Bloco de Leste.

A ideia dos Pais Fundadores, de que a União é essencial para manter a paz, ainda anima os europeístas só que, na verdade, as conquistas não são dados adquiridos para a vida.

O Prémio Nobel da Paz

Raquel Alvarez, euronews: Javier Solana foi chefe da diplomacia espanhola, secretário-geral da NATO e alto-representante da União Europeia para a política externa e de segurança até 2009. Atualmente pertence à junta diretiva do Conselho Europeu de Relações Externas. Bem-vindo à euronews.

Javier Solana: Muito obrigado pelo convite

Raquel Alvarez, euronews: A União Europeia foi reconhecida como um modelo de democracia, talvez mais no interior do que no exterior do continente. Agora foi distinguida com o Nobel da Paz. Trata-se de um prémio ao modelo institucional ou ao caminho percorrido?

Javier Solana: Como disse, creio que se trata de um prémio ao papel que a União Europeia tem desempenhado. Recordemos que somos um continente marcado por guerras cruéis. Lembre-se do que se passou no século XX. Temos conseguido viver em paz, em liberdade, em estabilidade e ter uma presença no mundo, coletivamente, em conjunto, muito importante. Estamos agora num momento difícil mas vamos conseguir sair dele.

Raquel Alvarez, euronews: Este galardão é oportuno. Precisamente no momento em que a crise económica ameaça mais do que nunca a sua integridade. O senhor há muito que alerta para a responsabilidade mundial de uma gestão correta da eurozona. Falamos de um ponto de vista humano, deixando de parte o político.

Javier Solana: Eu estou a viver estes momentos, como pode imaginar, com a mesma intensidade que todos os cidadãos. É um momento difícil, um momento de crise: as pessoas estão a sofrer e temos de fazer um esforço para nos movermos de maneira mais determinada, mais rápida, mais eficaz. Sobretudo os líderes da União Europeia.

Raquel Alvarez, euronews: O mal-estar social é evidente nos países mais castigados pela crise, assim como o ressurgimento de extremismos. Há razões para temer pelo futuro da União Europeia?

Javier Solana: Não, eu penso que não. A União Europeia passou por momentos muito difíceis e foi capaz de seguir em frente. Também vamos conseguir sair desta crise. Esta crise tem de nos preparar para viver no século XXI, um século no qual mudou muito a história do mundo, no qual existiram muitas mudanças de poder. É um mundo mais multipolar e creio que a voz da União Europeia, com os seus valores, com a sua maneira de fazer as coisas, é fundamental que mantenha a sua presença.

Raquel Alvarez, euronews: A guerra dos Balcãs, durante a qual o senhor se encontrava à frente da Aliança Atlântica, vai ficar na história como uma das páginas mais negras da União Europeia. A mediação de Bruxelas conseguiu, no entanto, evitar um conflito na Macedónia anos mais tarde. Que outros episódios contribuíram para o sucesso da União Europeia como porta-estandarte dos Direitos Humanos?

Javier Solana: Creio que há muitos mais. Temos estado em África em momentos muito difíceis, temos resolvido muitos problemas em África. Também temos estado na Ásia. Lembro-lhe, por exemplo, o processo de paz em Ache que serviu para resolver problemas históricos num país como a Indonésia. Temos estado também noutros países. Creio que a União Europeia tem sido brilhante nos últimos dez anos, do ponto de vista da nossa ação externa.

Raquel Alvarez, euronews: Depois ter sido o rosto da diplomacia europeia durante uma década, estava à espera que um dia chegasse este prémio?

Javier Solana: Sinceramente não esperava. Para mim foi uma grande surpresa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: campanha eleitoral abre oficialmente em Itália com apresentação dos logótipos

Apelo ao reforço da Operação Aspide de proteção dos navios do Mar Vermelho

Funcionário sueco da UE detido há dois anos no Irão