Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Remover o fator psicológico para aumentar os lucros

Remover o fator psicológico para aumentar os lucros
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em 2009, Charalambos Psimolophities chegou ao grupo FxPro como diretor financeiro. Agora, ocupa a direção executiva de uma das mais dinâmicas plataformas corretoras no Forex, o mercado cambial. De acordo com os princípios éticos, a euronews salienta que a FxPro é um dos seus anunciantes. No entanto, destacamos também que a entrevista que o jornalista Ali Sheikholeslami efetuou em Londres teve todo um outro âmbito: as oscilações atuais daquele que é o maior mercado do mundo.

Ali Sheikholeslami: De que forma é que a crise económica está a afetar o desempenho global da FxPro?

Charalambos Psimolophities: Não creio que a crise esteja a ter um papel relevante no volume de operações do mercado cambial Forex. Aquilo que importa neste mercado é a volatilidade. Quanto maior for, maior é o volume operacional que se regista. O mercado tem estado tranquilo nos últimos seis meses. Não tem a ver com a instabilidade económica, tem a ver com as incertezas sobre a futura supremacia, ou não, do euro e do dólar, nos próximos anos.

AS: Diria que a crise financeira está a levar os seus clientes, no mercado retalhista, a assumir riscos maiores ou a agir de forma mais conservadora?

CP: Todos os dias há mudanças no Forex. Em geral, têm-se comportado de uma forma mais conservadora. No entanto, em períodos de incerteza económica, e com tudo o que está a acontecer com a economia grega e na zona euro, os clientes estão a tornar-se um pouco mais agressivos. Por um lado, ao longo de um mês, por exemplo, podem ser mais conservadores; mas mal surgem notícias importantes, passam a intervir mais agressivamente no mercado.

AS: A FxPro avançou para o modelo de agência. O que é que isto significa?

CP: A palavra mágica: “alinhamento”, no caso, de interesses com os clientes. A diferença do modelo de agência é que negociamos com o cliente, para o cliente, ao contrário do que acontece com os provedores de mercado com quem pode haver um conflito de interesses: ganha-se dinheiro quando o cliente perde e perde-se quando o cliente ganha. Há uma grande diferença entre o modelo de agência e o modelo de geração de mercado.

AS: Qual é o nível de apuramento dos clientes retalhistas? Eles já têm experiência no mercado? A FxPro vai verificar que percurso fizeram antes de lhes abrir uma conta?

CP: Sim, controlamos o que está para trás. Dia após dia, têm cada vez mais conhecimentos sobre o mercado. Tentamos fornecer toda a assistência possível, através de seminários via web, livrarias online que podem consultar, de forma a aprender mais sobre o mercado Forex. O padrão, nos próximos anos, será haver cada vez mais gente informada. É essa a vantagem do modelo de agência, que permite alinhar os nossos interesses com os dos clientes. O nosso objetivo é que continuem a transacionar durante longos períodos, que sejam bem-sucedidos nisso, porque, assim, irão ficar muito mais tempo. Nos próximos meses, vamos fornecer-lhes mais ferramentas educativas, dar-lhes mais recursos para aumentar a rentabilidade da experiência negocial, os mecanismos algorítmicos. Hoje em dia, deixa-se tudo a cargo dos computadores. A psicologia é algo em constante mutação. Ao deslocar a estratégia negocial para a ferramenta algorítmica, estamos a remover a psicologia da equação. O cliente passa a obter muito mais lucro. O problema é quando os pequenos clientes tentam ser bons investidores. Com tudo o que as notícias nos mostram diariamente, com todas as oscilações no mercado cambial, é muito fácil cair em perdas significativas. Estamos a trabalhar intensamente no sentido de reverter essa tendência e de aumentar os ganhos dos nossos clientes.

AS: Mas concorda que o mercado Forex pode ser extremamente arriscado para alguém como eu, por exemplo, sem qualquer experiência. Provavelmente, perderia tudo. É verdade?

CP: Não estou nada de acordo. Não é o mercado Forex que é arriscado, é a atribuição de margens para alavancar lucros. De uma forma geral, o mercado cambial é menos volátil do que o mercado acionista ou os índices. Recorrendo a uma alavancagem multiplicada por 100, uma oscilação de um por cento no mercado cambial pode equivaler a perdas ou ganhos de 100 por cento. É esse sistema que torna o Forex mais arriscado, não é o mercado em si. As pessoas podem utilizar esse sistema em períodos diferenciados. Por exemplo, quando há uma volatilidade extrema, é melhor moderar o uso da alavancagem, porque, se o mercado for no sentido contrário ao seu, nem que seja em um por cento, o seu capital irá ficar 100 vezes mais exposto; a operação pode arrasar os seus fundos ou duplicá-los. É arriscado, mas é preciso aprender as técnicas de gestão para as utilizar em diferentes condições.