This content is not available in your region

Que educação recebem as crianças refugiadas?

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Que educação recebem as crianças refugiadas?

Nesta edição de Learning World apresentamos-lhe três reportagens sobre a educação que recebem, quando recebem, as crianças deslocadas. Alek Wek, uma refugiada do Sudão do Sul, tornou-se uma supermodelo. Como conseguiu? Outros refugiados jovens também podem reconstruir as suas vidas? Muitos projetos dão uma ajuda, mas será suficiente?
 

Ir à escola num campo de refugiados

Oitenta quilómetros a nordeste de Amã, o campo de refugiados de Zaatari é a casa de, pelo menos, 45 mil famílias sírias. Para fugir à violência, abandonaram o país natal com apenas algumas roupas. Muitas ONGs fazem o que podem para melhorar a qualidade de vida, especialmente das crianças que constituem quase metade da população do campo.
 
A UNICEF providencia educação primária e secundária a cerca de 4 500 jovens sírios nesta escola prefabricada. As raparigas têm aulas de manhã. Os rapazes à tarde. Uma rede de professores sírios e jordanos dá aulas de acordo com o programa estatal da Jordânia. O financiamento vem de vários países.
 

Rede de Educação em Situação de Emergência

Com milhares de organizações diferentes em todo o mundo a tentar providenciar educação a crianças refugiadas, é necessária coordenação. Está a cabo da Rede Inter-Institucional para a Educação em Situação de Emergência (INEE), uma rede sediada em Nova Iorque, onde se podem reunir, dialogar, para tentar evitar sobreposição e falhas. Unir todas estas pessoas é a tarefa da diretora Lori Heninger.

A comunidade internacional está a focar-se no acesso à educação primária, com a esperança de atingir o objetivo de desenvolvimento do milénio, de acesso universal à educação primária até 2015. A educação secundária está acessível a apenas 36% dos refugiados.
 

De criança refugiada a supermodelo

Alek Wek é hoje umas das supermodelos mais conhecidas. Há 20 anos era uma criança refugiada. A modelo do Sudão do Sul foi a primeira modelo negra a ser capa da Elle nos anos 90. Tem sido uma estrela das passarelas desde então.
 
Alek regressou ao país natal em julho, numa viagem com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados. Visitou a aldeia natal de Wau e o campo onde viveu com a família. Atualmente, há 214 mil refugiados no Sudão do Sul.