Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Pescar no delta do maior rio da Europa

Pescar no delta do maior rio da Europa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O delta do rio Volga junto a Astrakhan: é nesta zona que o maior rio da Europa desemboca no Mar Cáspio. É um local bem conhecido dos pescadores. Longe das grandes cidades, a reserva natural de Astrakhan mantém um caráter singular. Desde o início do século 20, que foi implementada a proteção desta área e da sua vida selvagem. As únicas pessoas que se avistam por aqui são pescadores. Vêm de todos os cantos da Rússia. Vladimir Razin é um deles: “a pesca aqui é excelente. Há todo o tipo de peixes. É preciso é saber apanhá-los.”

Os acampamentos espalham-se pelas margens do Volga. Os pescadores levam cerca de uma hora até chegarem à desembocadura do Mar Cáspio. Igor Belyakov, habitante de Astrakhan, começou a trazer o seu filho tinha ele 5 anos. “Sentimos uma espécie de fusão com a natureza. A linha de pesca estabelece como que uma ligação com o rio, com o mundo à volta”, afirma. Para Igor, não se trata de matar. Trata-se, sim, de um desafio: o de conseguir iludir o instinto animal. Para isso, é preciso escolher o isco certo, encontrar o local ideal e adotar uma técnica irrepreensível.

Para muitos habitantes locais, este é o seu sustento. Recolhem as redes de manhã, fazem uma triagem e encaminham o peixe para as fábricas de conservas. “Não é muito, costumamos apanhar mais. O tempo não está a ajudar”, desabafa um dos pescadores, Sergey Andreyev.

Não é só o tempo: os peixes maiores começam a rarear. Igor não tem dúvidas. A pesca excessiva, sobretudo a caça submarina com arpão, está a esgotar os recursos. Daí que, muitas vezes, atire de volta o que apanhou: “receio o dia em que já não haja muito mais para pescar. Isso não quer dizer que deixe de o fazer – vou continuar, mesmo que não consiga apanhar muito. Lembro-me de um ditado que diz: ‘quando cair a última árvore, quando o último peixe for pescado. o Homem vai compreender que não pode comer o dinheiro.’”

Ao fim de um longo dia no rio, é tempo de saborear o troféu, uma robusta carpa. Segue-se um ritual russo incontornável: a preparação da ukha, um caldo de peixe.