Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Claude-Eric Poiroux: "A cultura é essencial como resposta à crise"

Claude-Eric Poiroux: "A cultura é essencial como resposta à crise"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No filme da crise europeia, a austeridade ficou com o papel de malvada e no final uma das vítimas é o cinema, a começar pelo de autor.

Tome-se o exemplo da Espanha de Almodôvar. No Festival de Cannes, não há este ano qualquer filme espanhol em competição. No país, ajudas públicas para o cinema caíram de 123 milhões de euros para 55 milhões em apenas três anos.

E a tendência sente-se noutros países europeus. Como consequência, produzem-se menos filmes na União Europeia.

Segundo o Observatório Europeu do Audiovisual, em 2012 foram produzidos 1299 filmes, contra 1336 em 2011, um ano recorde.

Em 2012, graças ao último James Bond, o cinema europeu registou a maior quota de mercado do último século (com 33,6%), mas o número de bilhetes vendidos caiu. É o efeito da austeridade e da subida do desemprego.

No ano passado, venderam-se 933 milhões de bilhetes de cinema, menos 21 milhões do que no ano precedente. E se a queda rondou, em média, os 2,2% na União Europeia, em Portugal as vendas afundaram 12,1%.

Para evocar a crise do setor, a euronews entrevistou em Cannes o diretor geral da “Europa Cinemas”, uma rede de 1170 salas, em 68 países, com uma programação, sobretudo, europeia.

Wolfgang Spindler, euronews: O cinema, para lá do Festival, é também um mercado e salas de cinema que vivem graças à indústria cinematográfica. Numa situação de crise como se comportam as salas de cinema na Europa?

Claude-Eric Poiroux, presidente executivo de “Europa Cinemas”: Os resultados de 2012 estão em ligeira queda, em termos de espetadores. O que significa uma desaceleração do número de entradas e talvez um início de crise. Não sabemos ainda como vai evoluir. O que se passa na Europa também não é homogéneo. Não se vive a mesma situação em todos os países.

Espanha, por exemplo, vive uma verdadeira crise por duas razões. Há uma crise global no país e há uma crise no cinema. O cinema é vítima de duas ou três decisões do governo, por exemplo, a de aumentar o IVA para os bilhetes de 8 para 21%. O que é enorme.

Há depois, ao mesmo tempo uma crise em termos de produção. Não se reflete, talvez, ainda nas salas, o que se passa ao nível da criação, da produção, dos investimentos, do tipo de filme e, também, do que se produz hoje na Europa e cujos efeitos só serão visíveis dentro de alguns meses ou alguns anos.

euronews: Em tempos de crise, há géneros que funcionam melhor do que outros?

C-E Poiroux: Em geral, diz-se que o cinema não sofre crises porque é um valor refúgio. A palavra refúgio é neste caso a sala de cinema, para onde as pessoas vão para esquecer o que se passa no exterior. Foi o que se passou na história por várias vezes. Somos um pouco sortudos em relação a outros setores, que são mais atingidos.

Mas é preciso lembrar que o cinema tem um custo. Felizmente, o bilhete de cinema não é muito caro . Não é o divertimento mais caro e tem-se acesso a um espetáculo de grande qualidade. Por isso, podemos considerar que a relação qualidade-preço ainda é atrativa para o público.

Se queremos que o público continue a ir ao cinema, para se evadir, talvez seja necessário uma mudança do género de filmes. O cinema vai tornar-se mais um divertimento, haverá menos espaço para a reflexão, através de uma expressão artística, que procura um certo prazer.

euronews: Como se pode resumir a crise e o cinema na Europa em poucas palavras?

C-E Poiroux: Penso que, hoje, devem ser colocadas certas questões, porque muitos países não fazem o esforço de compreender que a cultura é essencial como resposta à crise. É uma das preocupações em certos países. Em Espanha, sobretudo. Mas também em Itália e em certos países da Europa Central, como a Hungria. Hoje, há ameaças à existência do cinema de autor, que a Europa sabe fazer muito bem, que é, em geral, é de muita boa qualidade e pode agradar ao público. O cinema tem, na realidade, muita força e não deve ser contido. A única exigência é deixá-lo exprimir-se.