A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Boracay não se fica pelo título de paraíso tropical

Boracay não se fica pelo título de paraíso tropical
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As Filipinas têm mais de 7 mil ilhas. Boracay é a mais famosa, tendo-se tornado num destino de eleição para os praticantes de windsurf e kitesurf. Neste segundo capítulo do “Philippine Life”, fomos à descoberta de um autêntico paraíso, onde assistimos ao Festival do Barco-Dragão.

Toda a ilha está num rebuliço. Mais de 900 remadores vieram de todo o mundo para participar no Festival Internacional do Barco-Dragão. É a sétima vez que Boracay acolhe esta corrida para a glória que tem como cenário a Praia Branca.

Força e resistência são fatores importantes. Mas é o trabalho de equipa que determina tudo, como nos explica uma das organizadoras do evento, que não fica na praia a assistir, participa na competição. “Antes de mais, é preciso disciplina. Para chegar ao nível competitivo, tem de se treinar todos os dias e adotar o espírito de equipa”, afirma Tootsie Ronnholm.

Há meses que as equipas se preparam para este momento. Uma delas é a Bugsay Boracay. Os seus 40 elementos treinam cinco dias por semana. Há membros da Suécia, França, Rússia, Suíça. Simone Bartmann vem da cidade alemã de Hamburgo: “quanto mais perto da água, maior o entusiasmo. Mas o auge é mesmo quando o barco chega à linha de partida. Remamos até chegar à posição certa. Quando a corrida arranca… é aí que o coração acelera.”

Simone chegou a Boracay há 12 anos. Na altura, a ilha, que fica a 300 quilómetros de Manila, era muito mais sossegada. Até aos anos 70, o que existiam eram algumas comunidades piscatórias. Pouco a pouco, os turistas foram chegando. Hoje em dia, é um dos principais destinos turísticos das Filipinas. Não só para descansar. Que o digam os adeptos de windsurf e kitesurf. Entre novembro e abril, é vê-los multiplicarem-se ao longo da praia de Bulabog.

Simone instalou-se justamente na parte ventosa da ilha, onde abriu uma escola para a prática destes desportos. Para quem considera que o kite é demasiado radical, aqui fica um conselho: “é relativamente fácil, só custa nos primeiros quatro, cinco dias. O kitesurf é muito apelativo porque é ilimitado na forma como permite desocupar a cabeça. Pode-se deslizar, saltar, ou fazer todo o tipo de acrobacias.”

Entre os eventos que Bulabog acolhe encontra-se o Kiteboard Tour Asia. O monitor Santi Borrás explica o fascínio que este desporto exerce: “é fantástico. A combinação da água, do vento, o deixar-se ir, o deslizar. Eu digo que é uma espécie de meditação. Não há nada entre mim e o vento. É perfeito, é lindo.”

Para além das praias e dos desportos à superfície, as Filipinas oferecem todo um outro mundo, o subaquático. Na próxima edição de Philippine Life, mostramos a baía de Donsol, a ilha de Luzon e procuramos o maior peixe do mundo: o tubarão-baleia.