EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

José María Olazábal: "Estou mais próximo do meu final"

José María Olazábal: "Estou mais próximo do meu final"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

José María Olazábal é um dos golfistas mais prestigiados no planeta. Aos 47 anos, o espanhol não tem problemas em reconhecer que a carreira se aproxima do final. Para trás ficam cinco vitórias na Ryder Cup, uma como capitão, e duas no Masters de Augusta. Agora, tem também no seu palmarés o Prémio Príncipe das Astúrias para o desporto. A euronews esteve à conversa com Olazábal em Oviedo.

euronews: Que significado tem para si ser galardoado com o Prémio Príncipe das Astúrias, reservado aos grandes astros do desporto, sendo apenas o segundo golfista a recebê-lo, depois de Severiano Ballesteros?

Olazábal: É um grande orgulho, enche-me de satisfação… mas é também uma responsabilidade. É verdade que sigo os passos de Severiano e nesse sentido é um prémio muito especial. É único porque é atribuído com base no mérito desportivo mas há outros valores que contam e aos quais é atribuída uma grande importância.

euronews: A atribuição deste prémio deveu-se em grande parte ao triunfo da seleção da Europa na Ryder Cup de 2012. O que se passou naquele dia 30 de setembro e que produziu esta vitória histórica?

Olazábal: Bom, há coisas que ficam dentro da equipa, não? O meu trabalho era lidar com os jogadores e tentar extrair o melhor de cada um, fazê-los acreditar que nada estava perdido e que era possível dar a volta ao marcador no domingo. Convencer os jogadores que tinham de sair para o campo de forma agressiva, sem medo. Tudo isso se conjugou de tal forma que conseguimos ganhar o torneio.

euronews: Em que medida foi Severiano Ballesteros um dos responsáveis na vitória da equipa europeia?

Olazábal: Sem dúvida que o triunfo foi conseguido, em parte, graças a ele. Quando preparei a equipa tive a preocupação de ter a imagem e a memória de Severiano Ballesteros sempre presente. No domingo, por exemplo, vestimos de azul-marinho e branco, que eram as cores que usava habitualmente. Além disso, bordámos no equipamento a sua imagem e os anos em que nasceu e em que nos deixou. Alguns jogadores, como o Justin Rose, disseram-me que enquanto jogavam, no último dia, nos momentos complicados olhavam para a manga, viam a imagem de Severiano e ganhavam motivação para continuar a lutar.

euronews: Tem uma relação muito especial com este torneio. Há alguma possibilidade de vê-lo ao lado do capitão Paul McGinley na próxima edição?

Olazábal: A Ryder Cup, como acabou de dizer, é um torneio que trago no coração. Se o Paul McGinley me oferecer a possibilidade de ser vice-capitão, ou de ajudar de alguma forma a equipa, sem dúvida que me vou sentar com ele e discutir o assunto. Não vou dizer já que sim ou que não mas certamente que seria um caso a pensar.

euronews: Vemos atualmente muitos golfistas a apostar no circuito PGA, em detrimento do circuito europeu. A que se deve isto? Como se pode inverter esta situação?

Olazábal: Penso que isso tem vindo a acontecer devido à situação económica que atravessamos na Europa, em todos os sentidos. É mais difícil conseguir patrocinadores. Nesse aspeto os Estados Unidos estão em melhor situação mas estou convencido que apesar de se terem juntado ao circuito PGA, esses jogadores vão continuar a viver na Europa e mesmo a competir aqui. Creio que não nos vão deixar.

euronews: Que opinião tem acerca da polémica em torno do tamanho dos tacos usados para putt?

Olazábal: Penso que há coisas que se devem deixar como estão. O golfe tem certas características. Em teoria, na sua origem as mãos eram a única parte do corpo que podia estar em contacto com o taco. Durante muitos anos existiu uma certa tolerância e penso que bem. O que não me parece lógico, por exemplo, é ver jovens de 13, 14, 15 anos praticamente a chutar com um putt longo.

euronews: Quem é o melhor golfista da história?

Olazábal: Penso que é preciso dividir por épocas, não? Creio que a era de Arnold Palmer e Jack Nicklaus foi o que foi… e penso que Tom Watson também teria uma palavra a dizer. Na era moderna, sem dúvida que Tiger Woods foi o número um e continua a sê-lo. Os tempos são diferentes, os campos são diferentes, os materiais são diferentes… não seria justo escolher um jogador em particular.

PUBLICIDADE

euronews: Se olharmos para o palmarés, Jack Nicklaus é o golfista com mais vitórias em Majors. Tiger Woods vai conseguir superá-lo?

Olazábal: Quando toda a gente dizia que o Tiger não voltaria a ser o mesmo, sempre me mantive fiel ao meu instinto. Quando joguei com ele, pude constatar que fisicamente é um grande atleta, um portento, mas a sua maior força está na cabeça, é mental. Isso nunca mudou e por isso sempre disse que vai voltar a ganhar Majors. Não sei se vai conseguir os quatro ou cinco que necessita para ultrapassar o Nicklaus mas estou convencido que vai chegar perto.

euronews: E quanto vamos ter de esperar para voltar a ver um espanhol ganhar um dos quatro grandes torneios?

Olazábal: Não é fácil. É verdade que vivemos anos muito bons, anos dourados. Temos atualmente no Sergio García um jogador com potencial suficiente e todas as características para o fazer. Penso que mais cedo ou mais tarde isso vai acontecer. Tem muitos anos pela frente e neste momento é a nossa melhor aposta.

PUBLICIDADE

euronews: Quando os resultados não aparecem e se tem uma certa dificuldade em manter o cartão do circuito europeu, a reforma surge como possibilidade?

Olazábal: Como em tudo na vida, tudo começa e acaba. Nesse sentido estou consciente de que estou mais próximo do meu final. Mas já tive fases duras na vida e que me tornaram mais forte. É com essa perspetiva que vejo as coisas. O único que posso fazer nesses momentos é trabalhar arduamente para continuar no topo, é esse o meu objetivo.

euronews: E depois do golfe? Já tem algum plano? Comentador na televisão, desenhar campos de golfe…

Olazábal: Há muitas coisas que se podem fazer. Obviamente que me sinto atraído pelo desafio de desenhar campos de golfe, é algo que gosto, mas há mais possibilidades. Existem jovens que começaram agora a praticar a modalidade, eu tenho experiência e conhecimentos que os poderiam ajudar. Nunca se sabe, podia criar uma escola. Há várias possibilidades, não apenas ser comentador. Penso que se podem fazer muitas coisas.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gibraltar apresenta queixa à UEFA por causa dos cânticos de Espanha após a vitória no Euro

Festa de San Fermin: sete corredores hospitalizados no penúltimo dia da corrida de touros

Turismo de massas em Espanha: as Ilhas Baleares estão a afogar-se?