Última hora
This content is not available in your region

Moldávia quer entrar na União Europeia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Moldávia quer entrar na União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

A Moldávia precisa de modernidade e por isso, este domingo, milhares de cidadãos apoiaram os líderes políticos numa grandiosa manifestação de apoio ao processo de aproximação da União Europeia:

Nicolae Timopht , presidente da Moldávia explicou ao público:

“A integração europeia representa uma oportunidade de reconstruir a nossa economia , melhorar a qualidade de vida e garantir a prosperidade de todos os cidadãos, construir uma sociedade com uma visão mais ampla. É algo tão bom para nós, pessoalmente, com segurança e liberdade de todos, assim como com a livre circulação de bens e, em geral, modernização e civilização do nosso país.”

Em finais de novembro, realiza-se, em Vilnius, a cimeira da parceria oriental A assinatura do acordo desta parceria inclui o estabelecimento de uma zona de comércio livre entre a UE e os países da ex-União Soviética, incluindo a Moldáva , apesar das profundas reservas da Rússia.

A Moldávia é uma ex-república soviética, encravada entre a Ucrânia e a Roménia. Tem cerca de três milhões e meio de habitantes, dos quais um terço fala moldavo, uma língua muito semelhante à romena.

Este é um dos países mais pobres do continente europeu, com um PIB per capita de apenas 2.500 € por ano. A vizinha Roménia, que está no fim da lista da União Europeia , consegue ter 6700 € per capita.

Nadejda, por exemplo, tem 43 anos e cinco filhos. Vive com 50 € por mês. Para ela, a única saída é emigrar, tal como mais de 500 mil moldavos que vivem no estrangeiro. As remessas da diáspora representam um quarto do PIB do país, 40% da população, de 25 e 40 anos emigrou, o que dificulta o desenvolvimento e a modernização .

Outro problema para a Moldávia ainda é o conflito não resolvido com a região separatista da Transnístria, localizada na margem esquerda do rio Dniester, habitada por e cidadãos com expressão linguística ucraniana e russa. Em 1990 , a região declarou a independência da Moldávia. As tropas russas ainda estão presentes, mas nenhum país reconheceu ali um Estado soberano.

Paul MacDowell, da euronews, entrevista, a propósito, o primeiro-ministro da Moldávia, Iurie Leanca.

euronews – Que tipo de mensagem a Moldávia está a enviar para Bruxelas?

Iurie Leanca – A manifestação de ontem em Chisinau, onde estiveram dezenas de milhares de cidadãos da Moldávia constituiu, provavelmente, o mais importante progresso que se fez no país desde a independência, em 1991. Foi organizada por partidos políticos que representam a coligação no governo com o objetivo de enviar uma mensagem clara, não só para Bruxelas, mas para todos os nossos vizinhos, sociedade civil e para a oposição da Moldávia. A maioria dos moldavos compreende que, para alcançar o desenvolvimento, para completar os esforços para construir uma democracia pró-europeia, a única possibilidade é a de seguir o caminho da integração europeia, partilhar os mesmos valores, os mesmos padrões e os mesmos princípios adotados nos países da União Europeia.

euronews – Que mensagem o senhor primeiro-ministro quer transmitir à Rússia? Afirma que este anseio político não é contra ninguém mas é a favor da integração na Europa. A Rússia está a observar com grande interesse … que tem a dizer a Moscovo?

I. Leanca – Desde o início da evolução do poder, em setembro de 2009, temos a mesma mensagem para Moscovo e Bruxelas: a nossa opção fundamental, a prioridade da nossa política externa e interna, é a integração europeia. O objetivo das nossas prioridades políticas, não foi dúbio ou enganoso para os nossos amigos e parceiros, seja a Oriente ou Ocidente.

O que repetimos, também, é que o caminho para a integração europeia e os nossos objetivos da modernização não constituem oposição direta em relação a qualquer outro país. Pelo contrário, acreditamos que ao tornar a Moldávia um país mais estável e, o que é muito importante, um país previsível, os nossos amigos, a Ocidente e a Oriente, também vão beneficiar.

euronews – Então, se para a Moldávia é uma vitória, o que é que a europa ganha com isso? O que oferece como contrapartida?

Leanca – A entrada da Moldávia também pode trazer benefícios para a União Europeia. Não apenas pela qualidade do seu vinho e da sua comida…. mas pelo trabalho conjunto que pode ser feito na expansão da área de estabilidade e de prosperidade no sudeste da Europa. Neste sentido, também queremos mostrar aos outros países, os países da aliança a Leste, os antigos países da União Soviética, que fizémos os trabalhos de casa e que vamos continuar a fazê-los – a União Europeia reconhece os progressos e lida com eles devidamente.
O futuro feliz dos moldavos, da sociedade moldava, está perfeitamente ligado à aproximação da Europa, à integração na UE – numa perspetiva de curto prazo – com integração política da República da Moldávia, muito importante para o seu futuro.
Precisamos de nos concentrar na reforma da justiça, na Procuradoria-Geral da República, na luta contra a corrupção e na construção de inabaláveis instituições moldavas.