This content is not available in your region

"Multi viral": a nova "fuga", em canção, do patrão do Wikileaks

Access to the comments Comentários
De  Euronews
"Multi viral": a nova "fuga", em canção, do patrão do Wikileaks

Depois de ter revelado milhares de documentos secretos no sítio Wikileaks, em defesa da informação livre, Julian Assange parece prosseguir o combate, agora em música.

Mesmo retido há vários meses na embaixada do Equador, em Londres, o mais conhecido dos “denunciantes” é o co-autor da música “Multi-Viral”, lançada hoje, na internet.

Um “hino” ao combate do “mestre das fugas de informação”, entoado pelo grupo de Porto Rico, “Calle 13”, e com a colaboração do guitarrista dos “Rage Against The Machine”, Tom Morello.

“Multi Viral”, que conta também com a voz da cantora árabe-israelita Kamilya Jubran, foi redigida em colaboração com milhares de internautas, inspirada nos comentários publicados nas redes sociais sob o “hashtag” #JulianAssangeCalle13 relativos ao tema da justiça social.

O resultado, lançado hoje, é uma música de intervenção, contra a manipulação dos meios de comunicação social e em defesa da “informação livre”, mas também em apoio aos movimentos de revolta social como os “indignados” ou o movimento “ocupa Wall Street”.

O vocalista do grupo “Calle 23”, Rene Perez, tinha-se reunido com Assange, em Londres, recentemente para preparar a nova canção, num evento transmitido em direto através das redes sociais.

O “denunciante” australiano encontra-se atualmente a viver na embaixada equatoriana em Londres, depois de ter pedido asilo ao país há um ano para evitar a extradição para a Suécia.

Entrevistado pelo site espanhol “El Diario.es”, Rene Perez cita Assange como um exemplo, “contra toda esta manipulação e a forma como um punhado de pessoas controlam todos os meios de comunicação em muitos países e de como vários governos controlam igualmente os meios. Ele abriu a porta, com provas. Antes tínhamos alguns indícios, mas Assange revelou outras provas: vídeo, informações. Ele arriscou-se e agora está a pagar por isso, ali, dentro daquela embaixada”.