Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

África do Sul: E depois de Mandela?

África do Sul: E depois de Mandela?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Mundo inteiro está a celebrar Nelson Mandela. Verdadeiro ícone global, para alguns ele foi um dos últimos grandes homens. Morreu quinta-feira, 5 de dezembro e é, naturalmente, África do Sul que esse desaparecimento mais está a ser sentido. Mas de uma forma muito particular.

Acabado de chegar a Joanesburgo, está o enviado especial da euronews à África do Sul, François Chignac.

euronews – Que imagem mais o impressionou depois de chegar aí?

François Chignac, enviado especial à África do Sul – Acima de tudo, a imagem de uma enorme comunhão. É verdade que o país está de luto, mas este é um luto alegre. As pessoas não estão tristes. Elas juntam-se na rua, cantam em grupo, dançam, tiram fotografias, abraçam-se. Estão em verdadeira comunhão. Por isso, não é, de todo, um luto triste, o que vimos, por exemplo, junto à última casa de Mandela, em Houghton. A polícia montou barreiras para impedir os carros de se aproximarem demais (da casa) e até essas grades estão agora cobertas de flores. As pessoas estão a erguer altares, rodeiam-nos de velas e deixam mensagens. Elas cantam e dançam nesta derradeira homenagem a Mandela.

euronews – O que dizem as pessoas na rua sobre o futuro? Admitem que a África do Sul poderá ter um antes e um depois da morte de Mandela? Pode, o desaparecimento deste símbolo da democracia, fragilizar o país?

François Chignac, enviado especial à África do Sul – A situação do país esta longe de ser a ideal. A taxa de desemprego jovem é muito elevada, cerca de 25 por cento, e o partido no poder, o ANC (Congresso Nacional Africano), tem sido terrivelmente criticado. Não nos podemos esquecer aqui que, em 2014, haverá eleições e há uma nova geração, uma geração que não viveu no Apartheid, que já vai poder votar. E, pelo que se percebe, eles não vão votar no ANC. Por isso, o que poderá acontecer depois de Mandela? Haverá um homem ou uma mulher que vão continuar a elevar a bandeira de Mandela. Mas as dúvidas não se resumem aos sul-africanos. Todo o Mundo começa a questionar-se e a inquietar-se sobre o futuro.

euronews – A África do Sul tem pela frente muitos desafios importantes. Sobretudo, a luta contra a pobreza. Será este, de facto, o país mais desigual do Mundo? Poderá o espírito Mandela mudar isso?

François Chignac, enviado especial à África do Sul – É verdade, temos de sublinhar as desigualdades que aqui existem. Elas existem entre brancos e negros; entre os jovens e o resto da população. Mas também entre os estrangeiros e o resto do país. Não nos podemos esquecer também que, em 2008, o país foi ensombrado pelo que parecia ser o caos. Registaram-se casos de violência muito graves contra os imigrantes que chegavam à África do Sul oriundos do Zimbabué ou da vizinha República Democrática do Congo. Essas pessoas foram vítimas de violência e são esse tipo de casos que levam haver receio pelo futuro: Será que a morte de Mandela e esta nova era não poderão levar o país a cair no caos?