Última hora
This content is not available in your region

Uma Escócia independente?

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Uma Escócia independente?
Tamanho do texto Aa Aa

Heráclito dizia “não há nada permanente na vida, exceto a mudança”. A Terra, o nosso planeta azul, deu-nos a confirmação literal da sabedoria do filósofo grego em novembro de 2013, quando uma erupção vulcânica, no meio do oceano, presenteou o Japão com uma nova ilha, um pequeno pedaço de território novo. Em 2014, a milhares de quilómetros do arquipélago japonês, esta ilha é a clara evidência do eterno devir de Heráclito.

No dia 18 de setembro de 2014, os residentes da Escócia com mais de 16 anos terão que responder “Sim” ou “Não” à questão “Deverá a Escócia ser um país independente?”. Se 50 por cento, mais um, dos participantes do referendo votar “sim”, a Escócia coloca um ponto final aos 306 anos de união com a Inglaterra, torna-se independente no dia 24 de março de 2016 e a partir daí, pode forjar um futuro sozinha.
A contagem decrescente começou para o principal defensor da secessão, o Partido Nacional Escocês (SNP).

Num vigoroso bloco de papel branco com 670 páginas, que contém a planificação mais detalhada e completa da independência alguma vez publicada, o SNP declarou o seu caso. Uma Escócia independente manteria a rainha como monarca e a libra como moeda. Edimburgo encarregar-se-ia das próprias finanças, fixaria os impostos e gastaria como bem lhe conviesse as receitas de petróleo e de gás do Mar do Norte. Atualmente, cerca de 90% da extração de combustíveis fósseis no Reino tem lugar ou gira em torno da Escócia. As fronteiras com o Reino Unido pode permanecer aberta, a cidadania pode ser compartilhada e as dívidas nacionais distribuídas.

A liderar a campanha “NÃO”, “Melhor Juntos”, estão os três grandes partidos políticos do Reino Unido que argumentam: Uma Escócia independente de 5 milhões de pessoas seria menos próspera e menos segura.

E, até agora, a maioria dos escoceses concorda com eles. Uma sondagem realizada em novembro de 2013, mostra que 47% dos moradores da Escócia queriam manter a união, 38% queriam a independência e 15% estavam indecisos. Mas o percurso até ao referendo em setembro de 2014 é longo, e um “Sim” não é de todo impossível. Se um evento deste calibre se tornasse realidade, as ondas de choque provocadas seriam sentidas além das margens do Reino Unido.

A Escócia não é única região centrífuga da Europa. Há fortes movimentos separatistas em outras duas regiões históricas – a Catalunha, em Espanha e Flandres, no norte da Bélgica – defenderam, de forma feroz, o direito à independência política.

Se a lógica da independência dos separatistas escoceses é um sentimento de identidade cultural e filosófica distinta, os catalães e flamengos separatistas fazem-no por questões económicas. A persistente crise acentuou o fosso entre o crescimento rápido e próspero na Flandres e na Catalunha e as economias mais letárgicas de regiões como Valónia e Andaluzia.

Enquanto os separatistas de Flandres perderam terreno nas últimas sondagens, em Espanha, a recusa do governo central em reconhecer o direito à independência da Catalunha exacerbou as tensões entre o governo madrileno e o catalão, em Barcelona, e reforçou a popularidade dos secessionistas.

E quanto a Europa, como um todo? De que forma afectam a União Europeia estes potenciais divórcios nacionais? Será que a família da UE abre alegremente os braços a um 29º Estado-membro, a Escócia, e a um 30º, a Catalunha?

Os secessionistas escoceses e catalães são europeus comprometidos que reclamam a adesão à UE, caso as suas campanhas de independência sejam bem sucedidas. De acordo com a página de internet da campanha “Sim”, “a Escócia já faz parte da UE – por isso não há dúvida de que cumprimos todos os requisitos de estatuto de associado.

Com a nossa energia e os nossos recursos de pesca é claramente senso comum. E, nos interesses da UE, a Escócia continua a ter um lugar”. Mais devagar, responde José Manuel Barroso em Bruxelas. O presidente da Comissão Europeia revelou que uma Escócia independente não herdaria automaticamente a quota de adesão do Reino Unido e que teria de se candidatar a membro.

Parece-lhe um cenário inquietante empurrar a UE em águas desconhecidas, então imagine este: uma Escócia independente candidata à adesão, algures em 2016, e um Reino Unido decidido a retirar-se da União Europeia, algures entre as eleições gerais de 2015 e 2017 – ganha pelos conservadores de Cameron.

Não seria irónico!? Há um velho ditado escocês que diz: “Whit’s fur ye’ll no go by ye!” – O que está para acontecer irá acontecer! Por isso, se tal como Heráclito, está convencido de que a mudança é a única coisa permanente na vida, fique atento! Na Europa, o melhor ainda está para vir!