Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O concurso de Placido Domingo que abre a porta à elite da ópera

O concurso de Placido Domingo que abre a porta à elite da ópera
Tamanho do texto Aa Aa

Em parceria com:

A soprano americana Amanda Woodbury ficou em segundo lugar no Operalia, o concurso para jovens cantores de ópera que todos os anos se organiza numa das capitais mundiais da música. Este ano, teve lugar em Los Angeles, onde o criador do evento, Placido Domingo, dirige a ópera. Das centenas de participantes que tentam a sua sorte, pouco mais de uma dezena consegue chegar às finais. Uma etapa que já é considerada uma vitória, um auspicioso começo de uma carreira internacional.

“Não me preocupa que a vitória não esteja ao alcance de todos, não pode ganhar toda a gente. Mas o júri é composto por diretores dos maiores teatros do mundo. Alguns dos cantores que não venceram vieram dizer-me que conseguiram três contratos numa só noite. Ninguém é deixado de lado”, assegura o mítico tenor espanhol.

Entre os membros do júri, encontramos a mulher de Placido, Marta, uma prestigiada encenadora, que afirma: “A vencedora entre as mulheres é fantástica. Tem uma grande carreira pela frente. Pode cantar Wagner, como Verdi. E, acima de tudo, é admirável que uma não hispânica possa cantar a zarzuela como ela o fez. Quanto a Mario, tem uma voz maravilhosa. É um autêntico tenor, simpático e tudo.”

Mario Chang, o cantor que conquistou a competição masculina, revela que “foi muito difícil chegar até aqui. Primeiro, tivemos de sair da Guatemala. Há ópera no país, mas não há uma instituição dedicada a isso. Eu e a minha mulher fizemos a promessa de dar, todos os anos, um concerto gratuito na catedral da Cidade da Guatemala, aberto a toda a gente. Gostaria de me tornar num impulsionador da ópera na Guatemala.”

Rachel Wills-Sorensen, a vencedora do lado feminino, não esconde a incredulidade, nem o sentido de humor: “O maestro Domingo disse-me que eu podia dar mais liberdade em algumas passagens, que ele depois acompanhava-me… Já imaginaram? O Placido Domingo a dizer que me acompanha a mim? É um sonho, tem de ser um sonho! Mas a verdade é que aconteceu. A peça de Wagner que cantei, “Dich, teure Halle”, é a minha preferida. Tem a reputação de ser muito difícil, mas é a ária mais fácil do meu repertório… É segredo, não digam a ninguém!”