Por ou contra o reconhecimento de um Estado Palestiniano

Por ou contra o reconhecimento de um Estado Palestiniano
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Suécia foi o primeiro grande país da Europa ocidental a reconhecer o Estado Palestiniano: um território, um povo, um governo, como exige, em

PUBLICIDADE

A Suécia foi o primeiro grande país da Europa ocidental a reconhecer o Estado Palestiniano: um território, um povo, um governo, como exige, em sentido estrito, a lei internacional, segundo a ministra dos Negócios Estrangeiros, Margot Wallstrom. “- Hoje, o governo da Suécia decidiu reconhecer o Estado da Palestina”.

Mas as razões. além de políticas, são pragmáticas:

“ – Assistimos a uma escalada de violência e de construções de colonatos em Jerusalém e na Cisjordânia. E em seis anos, houve três guerras em Gaza. Constatamos, também, que muitos jovens se radicalizaram por terem apenas duas escolhas: aceitar a situação ou optar por meios violentos”, conclui a chefe da diplomacia sueca.

No entanto, foi o parlamento britânico que lançou a primeira iniciativa, mais moderada, uns dias antes. Uma larga maioria de deputados aprovou o reconhecimento do Estado Palestiniano, mas o voto não obriga a qualquer compromisso do governo de Cameron. Tem um valor meramente simbólico.

Uma abstenção, dois votos contra e 319 a favor, foi o resultado no parlamento espanhol que, em novembro, foi a favor da corrente.
A delegação palestiniana ficou exuberante de alegria. A antiga ministra dos Negócios Estrangeiros do governo de Zapatero, Trinidad Jiménez, explicou a razão do voto simbólico: “para fazer avançar as coisas”.

“- Para conter a violência exacerbada destes grupos terroristas, Israel tem de chegar a acordo com os líderes que mostram moderação e que condenam a violência, como é o caso do presidente da Autoridade Palestiniana.

A rutura, no mês de abril, depois de nove meses de negociações, teve bastante influência na degradação atual: o primeiro-ministro israelita apontou como causa a reconciliação entre o Hamas e a OLP.

Ao mesmo tempo, relançou a política de expansão dos colonatos judeus na Cisjordânia e, principalmente, em Jerusalém Leste. A política de colonização tem sido negada pelo governo, mas o facto é que é um entrave à viabilidade de um Estado palestiniano.

A nível diplomático, os palestinianos tentam avançar com a causa na ONU. A Liga Árabe mandatou a Jordânia, membro não permanente do Conselho de Segurança para apresentar uma proposta de resolução sobre um Estado palestiniano, com as fronteiras de 1967, e com a capital em Jerusalém Leste.

Há dois anos, a Assembleia Geral da ONU aprovou o estatuto de Estado observador à Palestina, o que constituiu uma vitória diplomática.
Atualmente, apenas 134 países reconheceram o Estado palestiniano, principalmente os países em desenvolvimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel diz ter matado três membros do Hamas num hospital na Cisjordânia

Forças israelitas terminam operações no norte de Gaza

Natal sob o signo da guerra em Belém