EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Eleições israelitas marcadas para 17 de março

Eleições israelitas marcadas para 17 de março
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Com o fim da coligação de governo e a demissão de Yair Lapid e Tzipi Livni, líderes dos partidos do centro, Israel prepara-se para eleições antecipadas e pode virar ao centro.

PUBLICIDADE

Israel vai a eleições antecipadas no dia 17 de março, depois de uma prolongada crise na coligação de governo, que o o primeiro-ministro Bejamin Netanyahu não conseguiu resolver.

O chefe de governo, do partido conservador Likud, demitiu dois ministros, o que levou ao fim da coligação. O ministro das finanças Yair Lapid e a ministra da justiça Tzipi Livni, ambos líderes de partidos à esquerda do Likud, deixam o executivo.

O presidente da Knesset, Yuli Edelstein, anunciou a data depois de uma reunião com os chefes dos vários partidos. Nas ruas, a maioria das pessoas parece apoiar uma aliança à direita: “Não é bom ter eleições antecipadas. É uma perda de dinheiro. Mas é bom para Bibi (Netanyahu), que sai fortalecido. Vamos ter um governo mais à direita, mais forte, mais religioso”, diz um cidadão.

O cenário privilegiado é uma aliança entre o Likud e os partidos nacionalistas e ortodoxos à direita. Diz outro homem: “Os melhores para Israel são Netanyahu, Avigdor Lieberman e Naftali Bennett. São grandes homens”.

A crise na coligação tem-se acentuado com as críticas dos partidos do centro a temas como o orçamento para 2015 ou as políticas consideradas discriminatórias para os cidadãos árabes israelitas.

Já o Hamas emitiu um comunicado em que considera a queda do governo de Netanyahu uma vitória.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chega conquista eleitorado jovem: os porquês

À quarta foi de vez: Aguiar Branco eleito presidente da Assembleia da República

Requerentes de asilo em Dublin queixam-se de tratamento “desumano”por parte do Governo