Última hora
This content is not available in your region

Financiamento cria impasse sobre combate às alterações climáticas

Financiamento cria impasse sobre combate às alterações climáticas
Tamanho do texto Aa Aa

Para fazer o ponto da situação sobre as negociações que decorrem, desde 1 de dezembro, na Conferência das Partes sobre as Alterações Climáticas, a correspondente da euronews em Bruxelas, Margherita Sforza, entrevistou Giovanni La Via, eurodeputado e presidente da Comissão de Ambiente do Parlamento Europeu, numa ligação via satélite a Lima, capital do Peru.

Tudo pode ir pelos ares se alguns países, especialmente os mais pobres, exigirem mais compromissos

Margherita Sforza/euronews (MS/euronews): “Participa há vários dias nas negociações e existe a sensação de que ainda há um muro entre países ricos e países pobres. O que é que bloqueia as negociações?”

Giovanni La Via/eurodeputado (GLV/eurodeputado): “Na verdade, as negociações continuam bloqueadas devido às tentativas dos países mais pobres de obterem mais recursos. O acordo negociado em Copenhaga previa que, quando chegados a 2020, estariam disponíveis 100 mil milhões de euros por ano. Agora está a falar-se de um número muito mais baixo: 10 mil milhões para quatro anos. Logo, os países em vias de desenvolvimento consideram que não é suficiente para garantir uma nova política ambiental.”

MS/euronews: “O fundo visa ajudar os países mais pobres a combaterem as consequências das alterações climáticas. Esperava mais por parte dos países mais ricos?”

GLV/eurodeputado: “Não é possível continuar a pensar no Brasil, no México, na China e na Índia como países menos desenvolvidos. Procuramos obter uma solução intermédia, de modo a que não continuem a ser os países mais ricos a ajudarem a China neste processo. Estamos a trabalhar na identificação das respetivas possibilidades de cada país para reduzir as atividades prejudiciais para o ambiente e, assim, obter um acordo global.”

MS/euronews: “O senhor é otimista! Ainda acredita que se consiga um acordo em Lima que conduza a um compromisso claro nesta área dentro de um ano, durante a Conferência de Paris?”

GLV/eurodeputado: “Sim, acredito seriamente e temos alguns sinais positivos nesse sentido. O Presidente Obama fechou um acordo com a China e começou a negociar com a Índia. Isso significa que os grandes poderes globais começaram a olhar para a luta contra as alterações climáticas como uma das principais políticas a serem implementadas.”

MS/euronews: “Para terminar, o que poderia levar a um falhanço da reunião no último minuto?”

GLV/eurodeputado: “Tudo pode ir pelos ares se alguns países, especialmente os mais pobres, exigirem mais compromissos de apoio às suas economias, de modo a que possam lutar contra as alterações climáticas. A resistência de algum países mais pequenos, ou de pequenos grupos de países, pode ser devastadora em termos de resultado final”.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.