A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Polícia investiga circunstâncias da tragédia do café de Sidney

Polícia investiga circunstâncias da tragédia do café de Sidney
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há quem pense que foi o gerente do café a desencadear toda a operação de assalto final da polícia ao tentar tirar a arma ao sequestrador Man Haron Monis.

Mas essa é uma informação não confirmada e agora as autoridades australianas estão investigar todas as circunstâncias da tragédia, incluindo detalhes da vida do iraniano de 50 anos.

“As atividades de qualquer individuo a atuar sozinho, como acreditamos que seria este caso, sem qualquer aviso ou conhecimento, torna muito difícil para a polícia e agências de segurança interferir ou acabar com esse tipo de atividade. Naturalmente, precisamos de trabalhar nos factos, precisamos de desbravar caminho e estabelecer tudo antes de fazermos conclusões. A verdade virá ao de cima nos próximos meses”, afirma Andrew Colvin, comissário da Polícia Federal da Austrália.

As autoridades afirmam que apenas lançaram o assalto porque escutaram tiros no interior de café sitiado.

O agressor, abatido no confronto final, estava armado com uma caçadeira de canos serrados e não tinha explosivos.

Man Haron Monis tinha antecedentes de má conduta e preparava-se para responder perante a justiça por crimes sexuais, depois de ter estado ligado à morte da mulher, esfaqueada.

De acordo com um jornal australiano, em 2009 o iraniano enviou várias cartas injuriosas às famílias de soldados mortos em missão, nomeadamente no Afeganistão.