EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Paquistão: "Que mal é que nós fizemos? Não somos do exército nem dos talibãs"

Paquistão: "Que mal é que nós fizemos? Não somos do exército nem dos talibãs"
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com RTV, AFP, EFE, APTN, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Muitas escolas e lojas paquistanesas estão encerradas durante os três dias de luto nacional. Os populares, em particular os estudantes, não encontram justificação para o ataque dos talibãs.

PUBLICIDADE

“Eu e a minha família estamos destroçados com a notícia da morte de mais de 100 crianças e professores inocentes, que perderam a vida no ataque a uma escola em Peshawar. Estamos ao lado de todas as famílias e de todas as crianças que foram feridas e que estão a sofrer este enorme trauma…

… Agora, é tempo de nos unirmos. Apelo à comunidade internacional, aos líderes do Paquistão, aos partidos políticos e a todos os outros: Devemos estar unidos e lutar contra o terrorismo e devemos garantir que todas as crianças têm segurança e uma educação de qualidade”, afirmou Malala Yousafsai.

Há dois anos, foi a agora prémio Nobel da Paz a ser atacada por este grupo talibã (TTP, Movimento dos Talibãs do Paquistão ou Tehreek-e-Taliban Pakistan), após defender o direito das mulheres à educação.

Peshawar continua em estado de choque:

“Os pais têm muito medo de mandar os filhos para a escola, seja em Carachi, Lahore ou noutro lado qualquer. O medo de que algo possa acontecer tomou conta dos seus corações”, referiu um encarregado de educação.

Muitas escolas e lojas estão encerradas durante os três dias de luto nacional.
Os populares, em particular os estudantes, não encontram justificação para o ataque dos talibãs:

“Que mal é que nós fizemos? Não somos do exército nem dos talibãs, mas eles mataram crianças. Porque é que estes terroristas nos atacaram? Eu ainda tentei ir à escola, mas está fechada”, referiu um aluno de Peshawar.

“É uma coisa muito triste. Muçulmanos ou não-muçulmanos nunca fariam uma coisa destas. Estes sujeitos não têm religião”, completou um residente na cidade

Por todo o Paquistão, e não só, multiplicam-se as manifestações de solidariedade para com as vítimas de mais uma barbárie. Em Carachi, estudantes e advogados exigiram leis mais duras, incluindo a pena de morte, para punir o terrorismo.

Na Índia, esqueceu-se a rivalidade histórica com o Paquistão. Estudantes e professores ficaram sem palavras para descrever o crime hediondo. Surgiram amordaçados na homenagem que quiseram fazer:

“Estamos ao lado dos familiares das vítimas deste banho de sangue. Não tenho palavras para descrever a forma como sinto a sua dor”, referiu uma estudante.

A esperança é que o luto que cobriu a região, após mais um ataque sangrento, sirva de ponto de viragem. Talvez o Paquistão se una, de uma vez por todos, na renúncia à barbárie dos talibãs e de outros grupos islâmicos radicais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Regresso forçado de milhares de afegãos satura fronteira com o Paquistão

Mais de 165 mil afegãos obrigados a abandonar o Paquistão

Bairro cristão de Jaranwala sob proteção militar