Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

As crianças de Erbil

As crianças de Erbil
Tamanho do texto Aa Aa

Desde que o conflito eclodiu na Síria, há 4 anos, cerca de 220.000 pessoas encontram refúgio, em Erbil, no Curdistão iraquiano. Nos últimos meses, receberam a companhia de perto de 2 milhões de iraquianos em fuga dos jihadistas. Metade destes refugiados, mais de 1 milhão, são crianças.

Antes, vivíamos melhor. Ao menos, tínhamos escola, vivíamos em prosperidade. Mas aqui, o que é que há? Não há nada, não temos nada para fazer.

A Unicef classificou 2014 como um “ano devastador” para milhões de crianças apanhadas no meio de conflitos à volta do mundo.

Em Erbil, os mais novos só conhecem a guerra e a violência, um drama complicado, como explica o diretor de comunicação da Unicef, Jeffrey Bates:

“Aquilo que para nós é uma emergência, uma crise, para as crianças é o normal. Para elas, o que é estranho é a vida normal. O que a Unicef e os seus parceiros estão a tentar fazer é criar uma vida normal para elas. Um campo de refugiados nunca será uma casa, mas se estas crianças puderem ter locais para jogar, para ir à escola, para estar com os amigos e com a família, se puderem simplesmente estar em segurança, isso irá dar-lhes a oportunidade de continuarem a crescer”.

Crianças felizes é um sonho distante para muitos pais, quase uma utopia, segundo um refugiado da minoria Yazidi:

“Não há futuro para os nossos filhos e para nós também não. Os jihadistas ainda controlam inúmeras regiões aqui à volta. Portanto, não podemos pensar no futuro. É uma coisa incerta”.

O futuro passa também pela escolarização das crianças, mas aqui, em Erbil, isso parece impossível para os Yazidi.

Junto a uma escola, que foi criada recentemente no campo de refugiados, a enviada da euronews, Raphaele Tavernier, explica que “as crianças Yazidi não têm acesso à escola, porque as classes são prioritariamente reservadas aos filhos de Erbil, mas também porque as aulas são dadas em inglês e em curdo, enquanto a maioria dos refugiados fala apenas árabe”.

A mesma constatação num campo de refugiados para cristãos. Faltam atualmente perto de 4000 vagas no ensino primário e muitas mais no básico e no secundário para os filhos de famílias cristãs. Sem escola e longe de casa, os dias tornam-se longos e desesperantes para estas crianças desenraizadas. As iniciativas das ONG não chegam para alegrar o quotidiano destes jovens.

“Antes, tínhamos a nossa dignidade, a nossa casa, a nossa escola. Aqui não temos nada”, lamenta uma criança de Bachika.

“Antes, vivíamos melhor. Ao menos, tínhamos escola, vivíamos em prosperidade. Mas aqui, o que é que há? Não há nada, não temos nada para fazer”, acrescenta outro jovem.

“Quero voltar a casa, a Bachika. Quero regressar”, resume uma rapariga.

Sinal de esperança, nesta quadra festiva, a inauguração, no dia 11 de dezembro, da primeira escola prefabricada, no bairro cristão de Ankawa, em Erbil. O edifício faz parte de um programa de ajuda aos refugiados de uma organização cristã. No total, 8 escolas devem ser instaladas e estarão a funcionar na região até ao final de janeiro.

Watch all the interview with Jeffrey Bates, Chief of Communications for UNICEF Iraq