A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Charlie Hebdo bate recorde de vendas

Charlie Hebdo bate recorde de vendas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Há diferentes grupos de pessoas muito pacientes que conseguiram o ambicionado exemplar do Charlie Hebdo, logo à primeira tiragem. Porque muitos milhões de curiosos e de “novos Charlie” têm de continuar a fazer o percurso dia após dia, até conseguirem o ambicionado número 1178, com uma impressionante tiragem de 5 milhões, em 25 países.

No próprio dia do atentado, quarta-feira passada, todos tinham a certeza de que, apesar do choque, das lágrimas, o jornal tinha de saír. Para mostrar aos assassinos que o objetivo tinha falhado.

Luz, “cartoonista” do Charlie Hebdo:

“A manchete foi tão dura de fazer como foi engulir a morte dos amigos”, confessou Luz, que caricaturou o Profeta Maomé a chorar e assumir “que também é Charlie”

Alojados na redação do Libération, os jornalistas, cronistas e caricaturistas, conceberam e fizeram o jornal que o seu anfitrião deu hoje a conhecer numa primeira página satírica, também, com o slogan: “eu estou no quiosque”.

Gérard Briard, o chefe de redação está convicto de que “este número, precisamente este, é o que vai fazer com que o mundo descubra o jornal e o que é que representa”.

Desde a morte do General de Gaulle, em 1970, não havia tiragens tão grandes dos jornais que deram origem ao Charlie Hebdo – mesmo na altura, o France Soir teve dois milhões a menos. Os comerciantes nunca viram nada assim….

“Uma fila de espera como esta, em frente à porta, nunca vi. Estou aqui há 20 anos, nunca vi nada parecido! “

E Gérad Briard, o chefe do jornal satírico, tem razão: há muitos, mas mesmo muitos novos leitores do Charlie Hebdo.

“É importante, para mim, comprar porque vou conhecer o Charlie Hebdo, e isso vai decerto ser o suficiente para continuar a comprar no futuro…e tendo em conta a situação, penso que todos os franceses vão querer comprar o Charlie Hebdo”.

“É um símbolo, símbolo da liberdade de expressão”

- Não é leitor do Charlie Hebdo? – pergunta-lhe.
“Não, mas isso vai mudar”, garante o cliente.

“Eu quero ter um Charlie. Somos todos Charlie!”, grita um cliente ansioso.
Milhões de pessoas vão continuar a tentar comprar o seu exemplar nos próximos dias.

Na verdade, ter um exemplar do jornal tornou-se um ato cívico.