Última hora
This content is not available in your region

Estratégia contra Estado Islâmico alimenta debate em Washington

Estratégia contra Estado Islâmico alimenta debate em Washington
Tamanho do texto Aa Aa

O pedido da administração Obama ao Congresso para autorizar o uso da força militar contra o Estado Islâmico está a alimentar, em Washington, o debate sobre a estratégia “certa” para derrotar o grupo extremista.

Tanto entre os democratas do presidente como entre os rivais republicanos o tema está longe de reunir um largo consenso.

O republicano Michael McCaul, presidente do Comité de Segurança Interna da Câmara dos Representantes, diz que “a estratégia atual é mais uma de contenção do que de destruição do Estado Islâmico. Os raides aéreos têm um sucesso limitado. O que falta agora é uma força terrestre, sobretudo na Síria. Não deve vir tudo dos Estados Unidos, mas necessita de uma liderança norte-americana”.

A opção de uma intervenção terrestre encontra, no entanto, poucos apoiantes e a administração já deixou claro que não faz parte das suas intenções.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, frisou que o objetivo também não é “enviar ao Estado Islâmico um sinal de que pode estabelecer um ‘porto seguro’ noutro sítio. Se for aprovada legislação na qual o Congresso autoriza o uso de força militar contra alvos no Iraque e na Síria, o Estado Islâmico não deve pensar que se for para para um país vizinho, pode sentir-se seguro”.

O correspondente da euronews em Washington, Stefan Grobe, afirma que “como disse McCaul, ‘os bárbaros estão às portas’ e os Estados Unidos precisam de combatê-los. Mas ninguém é a favor de enviar tropas norte-americanos para a região. O que Washington quer é que países como o Egito, a Turquia e a Arábia Saudita assumam o papel e lutem no terreno”.